Aguia

MANUTENÇÃO E MONTAGEM

NOTICIA

13/06/2024

Acionistas da Tesla aprovam bônus de US$ 56 bilhões para Elon Musk

Remuneração aprovada para o bilionário é a maior da história corporativa dos Estados Unidos, mas ele ainda pode enfrentar disputa judicial para convencer a Justiça que invalidou o acordo no início do ano. O bilionário Elon Musk atacou o ministro Alexandre de Moraes, do STF, e ameaçou descumprir ordens da Justiça brasileira Guglielmo Mangiapane/Reuters Os acionistas da Tesla aprovaram nesta quinta-feira (13) o bônus de US$ 56 bilhões (cerca de R$ 300 bilhões) para o presidente-executivo da empresa, Elon Musk. A decisão, informada pela montadora, é vista como um sinal de aprovação da gestão do bilionário à frente da empresa. Apesar da vitória, Musk pode travar uma longa disputa judicial para convencer a Justiça de Delaware que invalidou o pacote no início do ano. A juíza Kathaleen McCormick afirmou na ocasião que a compensação é "uma quantia inimaginável" de dinheiro que não é justa com os acionistas. O bilionário também pode lidar com novos processos sobre a remuneração, que seria a maior da história corporativa dos EUA. Os investidores também aprovaram a proposta de mover a sede da Tesla de Delaware para o Texas e reelegeram dois membros do conselho da empresa: Kimbal Musk, irmão de Elon, e James Murdoch, filho do magnata da mídia Rupert Murdoch. Elon Musk havia sugerido na quarta-feira (12) que as propostas estavam recebendo um grande apoio e agradeceu aos acionistas. Os números da votação ainda não foram divulgados pela Tesla, que deve apresentá-los nos próximos dias. O acordo salarial decidido em 2018 contribuiu para Elon Musk se tornar a pessoa mais rica do mundo. A fortuna do empresário está em US$ 212 bilhões (cerca de R$ 1,1 trilhão) nesta quinta, segundo dados da Forbes. A remuneração de Musk está vinculada a metas de desempenho, como o preço das ações da Tesla e a lucratividade da empresa. A aprovação dos acionistas para a compensação serve tanto como um endosso ao mandato de Musk quanto como um reconhecimento de que os investidores não querem arriscar o futuro da empresa. LEIA TAMBÉM: Veja como foi o 1º voo bem-sucedido da SpaceX com a maior nave espacial do mundo Cozinheira perde R$ 80 mil: relatos de quem perdeu tudo com cassinos online Brasil será 1º país no mundo a ter 'modo ladrão' em celulares Android SpaceX faz 1º voo bem-sucedido com a Starship

13/06/2024

Amazon vai lançar internet via satélite no Brasil e concorrer com empresa de Elon Musk

Assim como a Starlink, o Projeto Kuiper usa milhares de pequenos satélites em torno da Terra para criar rede de internet. Empresas planejam colocar serviço em operação em 2025 em sete países da América Latina. Jeff Bezos e Elon Musk Reuters A Amazon e a empresa de telecomunicações Vrio, dona da operadora Sky Brasil, vão lançar um serviço de internet via satélite nos moldes da Starlink, do bilionário Elon Musk. O serviço será oferecido em sete países da América do Sul, incluindo o Brasil. Trata-se do Projeto Kuiper, da Amazon, em que milhares de pequenos satélites ficam a cerca de 600 km de distância de altitude e criam uma rede de internet para ser usada por dispositivos na Terra. O serviço deverá entrar em operação em meados de 2025, começando na Argentina, segundo o plano de lançamento divulgado nesta quinta-feira (13). Além do Brasil, o Projeto Kuiper também será levado para Chile, Uruguai, Peru, Equador e Colômbia. A Vrio, parceira da Amazon nesta iniciativa, é uma empresa americana que administra a Sky Brasil e a filial da DirecTV na América Latina. Concorrência com Elon Musk O Projeto Kuiper, da Amazon, criado por um ex-funcionário da Starlink, de Elon Musk, fornecerá internet usando satélites na chamada órbita baixa da Terra. O Projeto Kuiper delineará seu plano nos próximos meses para colocar 3.236 satélites no céu, disse o chefe de desenvolvimento de negócios da empresa na América Latina, Bruno Henriques. Usuários do Projeto Kuiper precisam usar um terminal para receber internet via satélite Divulgação/Amazon "Nosso objetivo é que todos os clientes, quer vivam em áreas urbanas, suburbanas ou rurais, tenham o mesmo nível de acesso à banda larga", disse Henriques. O plano de internet via satélite da Amazon já existe há alguns anos. Em 2019, a Amazon informou que planejava investir US$ 10 bilhões (cerca de R$ 50 bilhões) na iniciativa. Cerca de 200 milhões de pessoas na América Latina têm acesso precário, pouco ou nenhum acesso à internet, afirmou à Reuters o vice-presidente da Vrio, Lucas Werthein, com base em dados do Banco Mundial. "Acrescente a isso o terreno geográfico e, é claro, um continente que tem desafios para fazer grandes investimentos em infraestrutura", disse Werthein. LEIA TAMBÉM: Veja como foi o 1º voo bem-sucedido da SpaceX com a maior nave espacial do mundo Cozinheira perde R$ 80 mil: relatos de quem perdeu tudo com cassinos online Brasil será 1º país no mundo a ter 'modo ladrão' em celulares Android 'Constelação' de satélites ocupará órbita terrestre baixa e ficará bem mais próxima da Terra que os satélites geoestacionários Kayan Albertin/g1 SpaceX faz 1º voo bem-sucedido com a Starship

13/06/2024

O que acontece quando adolescentes abrem mão de seus smartphones

Will, Ruby e Grace estão entre os adolescentes britânicos que trocaram seus aparelhos por celulares básicos, durante cinco dias como parte de um estudo promovido pela faculdade em que estudam. BBC - Will ficou preocupado em ter que passar cinco dias com apenas um telefone básico sem acesso à internet BBC Como parte de um experimento de "detox digital", 10 adolescentes da cidade de Salford, na Inglaterra, trocaram por cinco dias seus aparelhos por telefones celulares básicos que só podem fazer chamadas e enviar mensagens de texto. Como se saíram? Leia a seguir um relato do experimento, do início às conclusões. Will passa regularmente mais de oito horas por dia com os olhos grudados na tela de seu smartphone. Quando era mais novo, ele adorava andar de bicicleta ? agora tem 15 anos e passa a maior parte do tempo livre depois das aulas navegando pelos vídeos do TikTok. Na semana passada, Will acumulou 31 horas apenas em aplicativos de redes sociais. Mas nos próximos cinco dias ele não terá acesso a isso. "Estou preocupado em saber como vou lidar com a situação", diz ele. "Agora terei que ser sociável com meus pais." A desintoxicação faz parte de um projeto da BBC que analisa os hábitos dos jovens em relação aos smartphones ? e Will é um dos 10 estudantes da Faculdade Técnica de Mídia da City University que concordaram em trocar seus telefones por um aparelho Nokia básico. Quase todos os aspectos da vida dos alunos serão afetados ? eles cresceram com smartphones e usam a internet para praticamente tudo. Eles se comunicam principalmente pelo Snapchat ou pelo Facetime, usam o Google Maps para se deslocar e estão sempre ouvindo música em qualquer lugar. Será um "verdadeiro desafio", diz o diretor da faculdade, Colin Grand, que trancará os aparelhos dos alunos durante o experimento. Ruby sonha em se tornar atriz. Ela diz que passa tempo demais no celular e muitas vezes ignora os pais enquanto navega pelo TikTok. No meio do experimento, vou visitar a família dela. Quando chego, a garota de 16 anos está dando os últimos retoques na maquiagem antes de ir para a faculdade. O pai de Ruby pergunta se ela está com a roupa de trabalho na mochila e então a mãe dela nos leva até o ponto de ônibus. Ruby admite que fazer uma pausa no uso do smartphone "criou mais oportunidades para conversas" com seus pais ? e sua mãe, Emma, ??diz que a desintoxicação está tendo um impacto positivo no comportamento de sua filha. "Ruby é muito viciada em seu telefone, então, agora ela pode ver como era a vida quando eu era adolescente", diz Emma. "Ela está falando mais e vai dormir mais cedo. É bom dar essa parada." Ao nos aproximarmos do ponto, vemos o ônibus já se afastando. Normalmente, Ruby checaria o horário do ônibus em seu celular. Ler o quadro de horários de um ponto de ônibus não é algo que esta geração faz. "Sem meu telefone, não tenho como saber", diz ela. Enquanto esperamos pelo próximo ônibus, Ruby me conta sobre seu trabalho de meio período em um centro de jogos para grupos. Ela trabalha alguns dias por semana ? mas não tem certeza se terá um turno mais tarde hoje nem de quanto tempo será. Seu gerente lhe deu o número de telefone do escritório, caso ela precise confirmar o horário de seu turno ? mas ela se sente "um pouco nervosa" em ligar. "Eu vejo no aplicativo qual turno estou fazendo, mas agora não consigo saber", explica Ruby. "Eu nunca ligo para o trabalho. Nunca." Ela paga a passagem do ônibus ? seu cartão do banco raramente é usado sem que seja através da carteira do smartphone ? e partimos para a viagem de uma hora. BBC - Ruby ficou 'nervosa' por ter que ligar para o escritório e checar o horário BBC NEWS/KRISTIAN JOHNSON 'Muito estressante' Para alguns adolescentes, abrir mão do smartphone tem sido muito difícil. Depois de apenas 27 horas, Charlie, de 14 anos, desistiu e pediu seu smartphone de volta. "Eu sabia que meu telefone estava no edifício, mas não saber se alguém estava tentando entrar em contato comigo e não poder ficar online foi muito estressante", diz ele. Outra coisa que parece estar estressando a todos é o chamado status Snapstreak ? que mede o total de quantos dias seguidos o usuário enviou mensagens pelo aplicativo Snapchat a um outro usuário. Alguns estudantes admitem que estão tão preocupados em perder a sequência ? que às vezes pode ser de mais de 1.000 dias consecutivos ? que pediram aos amigos para entrarem em suas contas e mantê-los ativos durante o período de "detox". Tal como Charlie, outros estudantes que participaram da experiência reconheceram o medo de perder status, mas a maioria diz que está surpresa pois não achavam que o período de "detox" seria tão libertador. Alguns disseram que estão dormindo melhor, enquanto outros acreditam que têm sido mais produtivos sem os aparelhos. "Sinto que estou aprendendo coisas e me envolvendo mais ? não sinto que estou perdendo nada", diz Grace, 15 anos. Logo depois da escola, no primeiro dia do experimento, ela e suas amigas foram comprar enfeites de plástico para seu telefone "antiquado". Me mostrando o celular enfeitado enquanto conversamos, Grace disse que ter ido às compras foi uma boa forma de desviar a atenção e não ficar pensando em seu smartphone trancado. "Foi muito tranquilo", diz ela. "Gostei muito porque trouxe de volta minha criatividade." "Assim que cheguei em casa, já estava desenhando e pintando novamente. Isso me ajudou a reconectar com as coisas de que gosto." BBC - Grace resolveu decorar seu celular básico com bolinhas de plástico colorido BBC NEWS/KRISTIAN JOHNSON Em fevereiro, o governo britânico publicou novas normas para tentar impedir que os alunos usem seus telefones durante o período em que ficam na escola. Em maio, uma comissão multipartidária de deputados deu um passo ainda maior, dizendo que a proibição total de smartphones para todos os menores de 16 anos ? não apenas na escola ? deveria ser imposta por quem quer que ganhe as eleições gerais de 4 de julho no Reino Unido. Numa pesquisa realizada pela BBC Radio 5 Live e BBCBitesize com 2 mil jovens entre 13 e 18 anos, os participantes tinham que responder perguntas sobre vários aspectos da vida ? incluindo saúde mental e os seus hábitos de uso de smartphones. As conclusões da pesquisa que foi compilada pela empresa Survation apontam: A simples participação neste exercício de desintoxicação digital mostrou uma diferença entre estes adolescentes e seus colegas que participaram da pesquisa da BBC; 74% dos jovens entrevistados disseram que não cogitariam trocar seus smartphones por um aparelho básico Depois de cinco longos dias, é hora dos alunos receberem seus smartphones de volta; Quando um professor se dirige ao cofre da faculdade para retirar os smartphones alguns estudantes não se contêm e gritam com ansiedade. Assim que ligam novamente seus celulares, os adolescentes voltam a ficar de olhos grudados nas telas - navegando e acompanhando as conversas em grupo. Mas a maioria diz que, depois de participar do detox, gostaria de encontrar maneiras de limitar o tempo de utilização. "Isso me fez perceber quanto tempo passei nas redes sociais e vi que preciso reduzir e sair mais de casa", reconhece Will. "Com certeza vou tentar usar menos o TikTok." Ele admite que tem sido difícil e sente muita falta de ouvir música. Mas o tempo que passou longe do seu telefone permitiu a Will reacender sua paixão pelo ciclismo ? algo que ele está determinado a continuar em vez de passar horas intermináveis navegando. "Oito horas por dia é uma loucura", diz ele. Esta reportagem foi traduzida e revisada por nossos jornalistas utilizando o auxílio de IA na tradução, como parte de um projeto piloto.

13/06/2024

Inteligência artificial melhora o uso de exoesqueletos

Simulações no computador treinam o equipamento, que pode ser utilizado sem a necessidade de horas de ajustes. Pesquisadores da North Carolina State University fizeram a demonstração de um novo método que, usando simulações para treinar a inteligência artificial (IA), consegue melhorar significativamente o desempenho de exoesqueletos ? estruturas que servem de suporte para aumentar a capacidade do corpo humano ? ajudando seus usuários a poupar energia em ações como caminhar, correr ou subir escadas. Inteligência artificial para exoesqueletos: pesquisadores da North Carolina State University demonstraram método que aumenta a eficiência desse tipo de equipamento Divulgação: Hao Su, NC State University ?Exoesqueletos têm um enorme potencial para aumentar a capacidade humana de locomoção, mas ainda são subutilizados, porque há limitações para testes e a criação de protótipos. A ideia central da pesquisa é fazer com que a inteligência artificial aprenda como as pessoas andam, correm ou sobem escadas através de simulações no computador, sem a necessidade do experimento, o que agiliza todo o processo?, afirmou Hao Suo, um dos autores do trabalho, publicado ontem na revista ?Nature?. Normalmente, o usuário leva horas ajustando o exoesqueleto para adequar a tecnologia à quantidade de força demandada para realizar os movimentos. Com as correções sendo feitas num simulador, o novo método permite que o equipamento seja adotado imediatamente. ?Descobrimos uma forma de controlar o exoesqueleto que pode beneficiar bastante indivíduos com dificuldades de mobilidade?, festejou Shuzen Luo, primeiro autor do estudo. Os participantes gastaram 24.3% menos energia para andar; 13.1% menos energia para correr; e 15.4% menos para subir escadas. Por enquanto, os testes vêm sendo realizados com idosos com problemas neurológicos, mas os pesquisadores pretendem estendê-los a amputados. Cientistas da mesma universidade desenvolveram um sistema ? também baseado em IA ? para rastrear sensores minúsculos que monitoram doenças do intestino, sem a necessidade de exames invasivos. O paciente ingere uma cápsula, onde está o sensor, e depois coloca uma veste que cria um campo magnético capaz de interagir com esse dispositivo. A inteligência artificial analisa os sinais recebidos pela pílula e monitora, por exemplo, a concentração de amônia, um marcador associado a úlceras e câncer gástrico. Veste monitora cápsulas que são engolidas e contêm sensores que avaliam a saúde do intestino Divulgação: Khan Lab at USC Veja também: VÍDEO: conheça o maior exoesqueleto de quatro pernas do mundo Conheça o maior exoesqueleto de quatro pernas do mundo

13/06/2024

Miss IA, primeiro concurso de beleza de inteligência artificial, revela finalistas; entre elas, uma brasileira

Jurados vão avaliar, entre as 10 finalistas, o prompt (comando) usado pela pessoa para criar a imagem de IA e a influência dela no Instagram, antes de anunciar a criação vencedora. Miss IA, primeiro concurso de beleza de inteligência artificial, revela finalistas; entre elas, uma brasileira Reprodução/Instagram A plataforma de conteúdo por assinatura Fanvue lançou o que chama de primeiro concurso de beleza de inteligência artificial do mundo (ou World AI Creator Awards). A organização revelou agora em maio as dez finalistas que concorrerão a um prêmio em dinheiro totalizando US$ 20 mil (algo em torno de R$ 108 mil). A obra vencedora será anunciada em uma cerimônia até o final deste mês. Já a data não foi divulgada pela organização (veja quem são as finalistas ao final da reportagem). Ao todo, foram mais de 1.500 candidatas, segundo o portal Wired. Entre as selecionadas para ir à final está uma brasileira, identificada como Ailya Lou. Além dela, aparecem mulheres geradas por IA que representam Portugal, França, Marrocos, Bangladesh, Índia, Turquia e Romênia. Ailya Lou, "brasileira" criada por IA Reprodução/Instagram Todas essas representações são tratadas como influenciadoras. Suas contas no Instagram contam com milhares de seguidores e postagens frequentes. Ailya Lou, por exemplo, tem pouco mais de 10 mil seguidores na plataforma. "Estou muito feliz em ver Ailya sendo selecionada para a grande final. Ela é um projeto artístico que tem um significado enorme para mim como forma de entender como recriar mundos e pessoas para uma realidade ampliada", disse a pessoa que deu o comando para a criação de Ailya. Seu nome não foi revelado. Sally Ann Facett, historiadora e jurada em concursos de beleza, disse que "a impressionante criatividade e originalidade de Ailya realmente chamaram a sua atenção". E completou: "Você pode ver que sua criação é verdadeiramente única, adoro a arte por trás de cada foto". Além da beleza, os jurados do World AI Creator Awards vão avaliar o prompt (comando) usado pelas pessoas por trás dessas artes e a influência digital delas no Instagram. A primeira colocada ganha US$ 13 mil (cerca de R$ 70 mil), a segunda, US$ 5 mil (R$ 27 mil), e a terceira, US$ 2 mil (R$ 10 mil). Brasil Initial plugin text Marrocos Initial plugin text Portugal Initial plugin text França Initial plugin text França Initial plugin text Initial plugin text Índia Initial plugin text Romênia Initial plugin text Turquia Initial plugin text Turquia Initial plugin text Bangladesh Initial plugin text VEJA TAMBÉM: Brasil manda 4x mais áudios no WhatsApp do que outros países, diz Zuckerberg Conheça o GPT-4o, novo modelo de IA usado pelo ChatGPT Robô que faz vídeo com inteligência artificial comete gafes

12/06/2024

Apple supera Microsoft e se torna a empresa mais valiosa do mundo após apresentar seus recursos de IA

Empresa atingiu um valor de mercado de US$ 3,29 trilhões, segundo a agência Reuters. Em relação aos rivais Google e Microsoft, a dona do iPhone entrou tarde nos esforços da inteligência artificial, mas agora conseguiu animar o mercado com o seu 'Apple Intelligence'. Tim Cook, presidente-executivo da Apple AP Photo/Jeff Chiu A Apple voltou a ser a empresa mais valiosa do mundo nesta quarta-feira (12), superando a rival Microsoft, que estava em primeiro lugar há seis meses. O avanço vem dois dias depois de a dona do iPhone anunciar o Apple Intelligence, tecnologia que será incorporado à nova versão do iOS 18. A inovação deverá facilitar tarefas do dia a dia ao levar inteligência artificial generativa para recursos de iPhone, iPad e Mac. Também na segunda, a companhia revelou que estava integrando o ChatGPT, da OpenAI, em seus dispositivos. Os anúncios foram feitos na WWDC 2024, seu evento para desenvolvedores, em Cupertino, Califórnia (EUA). Segundo a agência Reuters, as ações da Apple chegaram a saltar quase 4% mais cedo, atingindo um recorde de US$ 215,04, o que lhe conferiu um valor de mercado de US$ 3,29 trilhões. O valor de mercado da Microsoft ficou em US$ 3,24 trilhões. A alta das ações ocorre no momento em que o índice de tecnologia Nasdaq atinge um recorde com novos sinais de baixa da inflação. Na WWDC 2024, executivos, incluindo o presidente-executivo da Apple, Tim Cook, destacaram como a assistente de voz Siri será capaz de interagir com mensagens, e-mails, calendários e aplicativos de terceiros. A gigante da tecnologia ficou atrás de rivais como a Microsoft e a Alphabet, proprietária do Google, no campo em alta da IA, razão pela qual suas ações tiveram um desempenho inferior este ano em comparação com seus pares. As ações da Apple têm alta de cerca de 12% até agora em 2024, enquanto a Microsoft sobe cerca de 16% e a Alphabet quase 28%. LEIA TAMBÉM: Por que Elon Musk vem ameaçando banir o uso de iPhones e Macs em suas empresas Google vai avisar se os seus dados caírem na busca; veja como ativar alerta 'Modo ladrão' no Android, IA no Gmail e mais: as novidades do Google para o Brasil Brasil manda 4x mais áudios no WhatsApp do que outros países, diz Zuckerberg Conheça o GPT-4o, novo modelo de IA usado pelo ChatGPT Robô que faz vídeo com inteligência artificial comete gafes

12/06/2024

Por que Elon Musk vem ameaçando banir o uso de iPhones e Macs em suas empresas

Empresário criticou a parceria feita entre Apple e OpenAI que permitiu a introdução do robô ChatGPT nos iPhones. Ele é dono da Tela, da SpaceX e do X (ex-Twitter). Elon Musk, fundador da Tesla Joe Skipper/Reuters O bilionário Elon Musk vem criticando um acordo feito entre a Apple e a OpenAI que possibilitou a integração do robô ChatGPT nos iPhones. A parceria foi anunciada na última segunda-feira (10), durante a WWDC 2024, evento da Apple para desenvolvedores. Musk, que é dono da Tesla, da SpaceX e do X (ex-Twitter), afirma que o acordo da Apple com a criadora do ChatGPT ameaça à segurança de dados e, por isso, pensa em proibir o uso de iPhones e MacBooks em suas empresas. Vale lembrar que o bilionário foi cofundador da OpenAI, em 2015, mas ele deixou a presidência da empresa em 2018. Em 2023, Musk abriu a sua própria empresa de IA, a xAI, para rivalizar com a OpenAI. "A Apple não tem noção do que realmente vai acontecer assim que entregar teus dados à OpenAI. Estão te traindo", disse Musk em uma postagem no X. Musk chegou a processar a OpenAI sob a alegação de que a empresa abandonou sua missão original de não ter fins lucrativos. Nesta quarta-feira (12), ele pediu o arquivamento da ação sem dar um motivo para a decisão. "É evidentemente absurdo que a Apple não seja inteligente o suficiente para criar sua própria IA, mas seja de alguma forma capaz de garantir que a OpenAI protegerá sua segurança e privacidade!", completou o empresário. Em seguida, ele postou um meme: Initial plugin text O Apple Intelligence, tecnologia apresentada pela Apple na segunda será incorporado à nova versão do iOS 18. A inovação deverá facilitar tarefas do dia a dia ao levar inteligência artificial generativa para recursos de iPhone, iPad e Mac. A Apple pôs no centro deste sistema sua assistente pessoal Siri, que passou por uma grande reformulação. E, para isso, a empresa se associou à OpenAI. "Estamos felizes em colaborar com a Apple para integrar o ChatGPT em seus aparelhos mais à frente este ano. Acho que vão gostar", disse no X o diretor-geral da OpenAI, Sam Altman. "Pensamos que o Apple Intelligence será indispensável nos produtos que já têm um papel essencial em nossas vidas", completou Tim Cook, presidente-executivo da Apple. VEJA TAMBÉM: Brasil manda 4x mais áudios no WhatsApp do que outros países, diz Zuckerberg Contas de 'jogo do tigrinho' inundam Instagram O primeiro tradutor de Libras foi apresentado no Web Summit Rio 2024

12/06/2024

Como deixar o celular mais simples e acessível (VÍDEO)

Aparelhos com sistema iOS e Android vêm com recursos que ajudam a aumentar as letras do sistema e os ícones dos apps. Veja o vídeo. Como deixar o celular mais acessível Na hora de usar o celular, o monte de ícones e configurações pode ser fácil para a maioria das pessoas. Mas nem todo mundo consegue navegar pelo caminho correto e se perde, não importa a idade. Ativar os recursos de acessibilidade no smartphone ajuda a deixar os ícones dos apps maiores, mudar o tamanho das letras e deixar o texto em negrito, entre outras modificações. ? Clique aqui para seguir o canal do Guia de Compras do g1 no WhatsApp Nos aparelhos da Apple, ajustar essas funcionalidades é mais simples e o resultado, mais direto. Nos das demais marcas que usam sistema Android (como Samsung, Motorola e Xiaomi, por exemplo), alguns passos adicionais são necessários. ?O Guia de Compras separou dicas de acessibilidade para as duas plataformas. Veja a seguir. Para quem tem iPhone O Acesso Assistivo deixa o visual do iPhone ? e dos iPads também ? mais simples para facilitar o uso e menos apps para ?confundir?. O recurso cria uma interface diferente, com botões em alto contraste e etiquetas com letras maiores e uma disposição dos ícones em grade (lado a lado) ou fileiras, com texto. iPhone 14 Pro com o modo assistivo ativado Henrique Martin/g1 Também dá para definir uma foto de fundo de tela e configurar controles de volume e do modo silencioso ? para o telefone tocar sempre, sem se preocupar que o dono deixou sem volume sem querer. Para ativar, é preciso ajustar as configurações de Acessibilidade do sistema iOS. Entre no menu de configurações do iPhone, selecione Acessibilidade. No final da lista, em "Geral", selecione a opção Acesso Assistivo. Escolha os aplicativos e o formato (lista ou grade de apps). Em Ajustes de Código, defina um código de 4 dígitos para ativar e desativar o Acesso Assistivo. O recurso pode ser ativado com o uso de um atalho: vá a Configurações | Acessibilidade | Atalho de Acessibilidade e selecione a opção Acesso Assistivo. Desse modo, com três cliques no botão de liga/desliga do iPhone, é possível acionar o recurso de forma mais rápida. Ao ser ativado ou desativado, o Acesso Assistivo sempre irá pedir o código de quatro dígitos, que é diferente do código para desbloquear o iPhone. Desse modo, o Acesso Assistivo também pode ser usado como um recurso de segurança adicional por donos de iPhone ? já que as configurações principais do celular não podem ser modificadas sem acesso à senha do Acesso Assistivo. Para quem tem Android Nos celulares com sistema Android, não existe um ?modo simples? como o da Apple, mas atalhos para deixar ícones maiores e melhorar a acessibilidade de todo o sistema. Aparelhos da Samsung contam com um recurso chamado Modo Fácil, que amplia todos os itens na tela, aumenta o atraso do toque (para evitar cliques acidentais no display) e muda o teclado para teclas de alto contraste, mais fáceis de ver. O Modo Fácil da Samsung está presente nas Configurações do sistema | Visor | Modo Fácil. Modo Fácil ativado em celular Samsung Reprodução Em aparelhos de outras marcas, o ajuste precisa ser feito direto no menu de configurações | acessibilidade. É possível ajustar tamanho de texto e dos ícones, ativar uma lupa para aproximar itens, fazer controles de áudio e até ativar a transcrição instantânea em vídeos. Recursos de acessibilidade do Android em celular da Motorola Reprodução Uma alternativa para deixar o acesso nos Androids mais básicos, como ocorre no Acesso Assistivo da Apple, é utilizar apps pagos que modificam o visual do smartphone, como o Big Launcher (R$ 60 na Google Play Store) e o Big Phone (R$ 50). Apps Big Launcher e Big Phone, que facilitam o uso do celular Android por idosos Reprodução Veja a seguir uma lista de 8 celulares selecionados pelo Guia de Compras com recursos de acessibilidade. Os preços variavam de R$ 1.800 a R$ 7.000 nas lojas on-line consultadas em junho. Apple iPhone 14 Plus Apple iPhone 15 Moto Edge 50 Pro Moto G84 Oppo A79 Poco X6 Pro Samsung Galaxy A55 Samsung Galaxy M55 Esta reportagem foi produzida com total independência editorial por nosso time de jornalistas e colaboradores especializados. Caso o leitor opte por adquirir algum produto a partir de links disponibilizados, a Globo poderá auferir receita por meio de parcerias comerciais. Esclarecemos que a Globo não possui qualquer controle ou responsabilidade acerca da eventual experiência de compra, mesmo que a partir dos links disponibilizados. Questionamentos ou reclamações em relação ao produto adquirido e/ou processo de compra, pagamento e entrega deverão ser direcionados diretamente ao lojista responsável.

12/06/2024

Google vai avisar se os seus dados caírem na busca; veja como ativar alerta

Recurso monitora se informações como nome, endereço, telefone e e-mail estão sendo exibidas no buscador e oferece opção para titular pedir que conteúdo seja removido da pesquisa. Alerta do Google sobre resultados com seus dados pessoais Divulgação/Google O Google liberou para o Brasil um recurso que alerta caso suas informações pessoais sejam exibidas na busca. A funcionalidade tinha sido lançada em 2022, mas só foi anunciada para o país na terça-feira (11). A novidade foi apresentada no Google For Brasil 2024, evento com lançamentos para o mercado brasileiro. Ela se parece com o formulário para pedir remoção de dados da pesquisa, mas atua de forma proativa. Batizada de "Privacidade nos resultados sobre você", a opção permite registrar dados que você deseja monitorar. Depois, o Google informa se algum deles caiu na busca e oferece espaço para você solicitar a remoção. Para usar o recurso, é preciso informar nome, endereço, telefone ou e-mail, que, inicialmente, são os dados que o Google vai monitorar. A empresa disse que, ainda este ano, passará a suportar documentos como CPF, carteira de habilitação e passaporte. A novidade não é capaz de excluir dados pessoais que aparecem em outros sites, mas ajuda a limitar o acesso a eles, já que a busca funciona como uma importante vitrine para a internet. Brasil será 1º a ter 'modo ladrão' em celulares Android; veja como vai funcionar Como ativar alerta sobre dados pessoais no Google O recurso está disponível em goo.gle/resultsaboutyou. Também é possível acessá-lo ao clicar em sua foto no app do Google e selecionar "Privacidade nos resultados sobre você" ou ao clicar nos três pontos ao lado de um resultado da busca. Depois, siga os passos abaixo: No primeiro acesso, clique em "Começar agora" e confirme que deseja prosseguir; Adicione seus dados de contato, como nome, endereço, telefone e e-mail (é possível incluir mais de um dado em cada categoria), e selecione "Continuar"; Escolha onde você deseja receber o alerta caso as informações apareçam na busca ? e-mail ou notificação no app; Clique em "Salvar" e, depois, em "Terminei". Em seguida, o Google começará a procurar resultados que correspondam a seus dados pessoais, o que pode levar algumas horas. Ao final do processo, a empresa enviará uma notificação, mas também mostrará o que encontrou na seção "Resultados para analisar" da página. A lista mostrará o título e a fonte de cada resultado, e permitirá que você peça para remover algo ao clicar nos três pontos ao lado do resultado e, então em "Remover". O conteúdo será removido se atender aos critérios do Google. A empresa retira, por exemplo, informações de identificação pessoal e outros tipos de dados caso eles sejam compartilhados de forma mal-intencionada. LEIA TAMBÉM: Cozinheira perde R$ 80 mil em dois meses: relatos de quem perdeu tudo com cassinos online Apple integra iPhone com ChatGPT e revela iOS 18; veja novidades Como descobrir o que o Google sabe sobre você Celular perdido? Veja como localizar iPhone e Android pelo computador ou por app Apple Vision Pro: veja primeiras impressões sobre óculos de realidade virtual Saiba se está sendo vigiado: veja sinais um celular infectado com aplicativo espião

11/06/2024

'Modo ladrão' no Android, IA no Gmail e mais: as novidades do Google para o Brasil

Em seu principal evento no país, empresa anunciou outros lançamentos para o mercado local, como um recurso para monitorar seus dados pessoais que estão na busca e função para permitir que bares e restaurantes ativem um botão de contato por WhatsApp no Maps. Gemini no Gmail, 'modo ladrão' no Android e mais: as novidades do Google para o Brasil Divulgação/Google O Google anunciou nesta terça-feira (11) uma série de novidades para o mercado brasileiro. Entre elas estão recursos para Android, Gmail, Maps e buscador, além de soluções de inteligência artificial (IA). A empresa também divulgou que, com os seus produtos, conseguiu gerar R$ 188 bilhões no Brasil em 2023. As apresentações foram feitas no evento anual da big tech, chamado de Google For Brasil 2024, que aconteceu em São Paulo. ?? A partir de agora, o Gmail pode te ajudar a escrever um e-mail em português e o "modo ladrão" pode bloquear a tela do seu celular Android caso ele identifique que foi arrancado de sua mão abruptamente. Também foram reveladas novas funcionalidades para pequenas e médias empresas dentro da busca e do Maps. Confira abaixo as principais novidades: Gmail pode escrever seus e-mails em português Gmail pode escrever seus e-mails em português Divulgação/Google Com o Google Gemini por trás, sua inteligência artificial generativa mais poderosa, o Gmail pode ajudar o usuário a resumir uma longa troca de e-mails e até sugerir respostas com o recurso "Ajude-me a Escrever", que agora está disponível em português. Se preferir, a pessoa ainda pode alterar o tom do texto gerado pela IA, deixando ele mais ou menos formal, além de adicionar detalhes para desenvolver o conteúdo criado ou reduzir para deixá-lo mais objetivo. O mesmo vale para o Docs, que ganhou o botão "Ajude-me a Escrever" e, a partir de um comando, ele pode gerar conteúdos. "Com a IA, é possível acessar diversos comandos em relação ao texto como resumir, apresentando os pontos principais do texto; encurtar, tornando o texto mais conciso; ou reformula o texto", explica o Google. A função está disponível apenas para assinantes do Google One AI Premium, que no Brasil custa R$ 96,99 por mês, e para empresas que têm o plano Google Workspace. 'Modo ladrão' no Android Anunciado inicialmente em seu evento para desenvolvedores, o Google I/O 2024, a empresa oficializou nesta terça o lançamento do "modo ladrão" no Android. A novidade, criada para combater roubos, bloqueia a tela do celular ao identificar que alguém o arrancou de sua mão abruptamente. O Brasil é o primeiro país do mundo a receber esse recurso, que estará em fase de teste a partir de julho para alguns usuários. Para que seja ativado, o aparelho deve estar rodando Android 10 ou superior. A empresa explicou que o próprio celular identifica a ação de roubo usando inteligência artificial e o acelerômetro, sensor que mede vibração e aceleração. Assim que o criminoso puxar o aparelho de sua mão, o dispositivo bloqueia a tela e ele só poderá ser ativado novamente com a senha. Monitorar dados pessoais na busca O Google anunciou um recurso que monitora se a busca está exibindo algum de seus dados pessoais, como telefone, e-mail e endereço. Para usá-lo, basta acessar este link e buscar pela opção "Privacidade nos Resultados sobre você". Em seguida, é preciso adicionar os dados que você deseja monitorar. Se algum deles aparecer no buscador, o Google vai exibir um alerta e oferecer a opção de solicitar que o conteúdo seja removido. O pedido será analisado e poderá ser aceito se atender aos critérios de remoção da empresa. WhatsApp de comércios na busca e no Maps De novidades para pequenas e médias empresas, o Google está permitindo que comerciantes possam inserir o seu canal de mensagens favorito, como o WhatsApp ou SMS, e uma rede social do negócio para exibir os posts mais recentes no buscador e no Google Maps (veja na imagem abaixo). Ao clicar no botão, o consumidor será redirecionado diretamente para o aplicativo de mensagens. Ao g1, o Google explicou que está trabalhando para permitir que outros apps possam ser inseridos ali e, por enquanto, só é possível adicionar um canal. "Com essa nova experiência, estamos facilitando a conexão entre empresas e clientes, permitindo que elas compartilhem conteúdo das redes sociais diretamente na busca e escolham o canal de mensagens preferido para interagir, tornando a comunicação mais eficiente e personalizada", disse o vice-presidente global da busca do Google Bruno Pôssas. WhatsApp de restaurantes na busca e no Maps Divulgação/Google Cardápio de restaurantes na busca No Google For Brasil, a big tech anunciou que donos de bares e restaurantes podem inserir seus cardápios diretamente no buscador e no Maps. Para isso, eles precisam tirar uma foto, subir ela no "Perfil da Empresa" e a inteligência artificial do Google gera uma versão digital que aparecerá em seus serviços. A própria IA cria como se fosse uma tabela com as mesmas informações da foto. Os nomes dos itens, a descrição e os preços vão aparecer na seção "Cardápio". "O recurso, disponível em inglês e português, já está sendo implementado no Brasil, um dos primeiros países a receber a funcionalidade", disse o Google. Funcionalidade para incluir cardápio no Google Maps e no Buscador Divulgação/Google VEJA TAMBÉM: Brasil manda 4x mais áudios no WhatsApp do que outros países, diz Zuckerberg Como funciona o Gemini, a inteligência artificial mais poderosa do Google Robô que faz vídeo com inteligência artificial comete gafes

11/06/2024

Brasil será 1º país no mundo a ter 'modo ladrão' em celulares Android; veja como vai funcionar

Recurso estará disponível para alguns usuários já a partir de julho. Antes do lançamento, as lideranças do Google vieram ao país para entender como agem as 'gangues da bicicleta', que arrancam o smartphone de pedestres em grandes cidades. Mulher observa o celular na avenida Paulista, em São Paulo Marcelo Brandt/G1 q Anunciado inicialmente no Google I/O 2024, a gigante das buscas oficializou nesta terça-feira (11) o lançamento do "modo ladrão" no Android. A novidade, criada para combater roubos, bloqueia a tela do celular ao identificar que alguém o arrancou de sua mão abruptamente. O Brasil é o primeiro país no mundo a receber esse recurso, que estará em fase de teste a partir de julho para alguns usuários. Para ser ativado, o aparelho deve estar rodando Android 10 ou superior. O lançamento no Brasil foi confirmado hoje durante o Google For Brasil 2024, evento anual da big tech para apresentar suas novidades para o mercado local. A empresa explicou que o próprio celular identifica a ação de roubo usando inteligência artificial e o acelerômetro, sensor que mede vibração e aceleração. Assim que o criminoso puxar o aparelho de sua mão, o dispositivo bloqueia a tela e ele só poderá ser ativado novamente com a senha. A tecnologia, segundo o Google, pode identificar fugas a pé, de bicicleta, de moto e carro. A mensagem "Possível roubo detectado: este dispositivo foi bloqueado automaticamente para proteger seus dados" é exibida logo após o roubo. Vale lembrar que o governo federal já tem o app Celular Seguro, que também visa inibir roubo e furto de celulares. Com ele, a vítima pode avisar de uma vez várias instituições parceiras do governo, como a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e bancos sobre o ocorrido. 'Gangue da bicicleta' motivou criação do recurso Em coletiva com a imprensa brasileira, o Google disse que, em setembro de 2023, várias lideranças do Android vieram ao Brasil para entender de perto como agem criminosos de roubo de celular. Entre elas estava Sameer Samat, presidente do ecossistema Android. Naquele mês, os executivos tiveram conversas em Brasília com o então secretário-executivo do Ministério da Justiça, Ricardo Cappelli, nome por trás do aplicativo Celular Seguro, do governo federal. "A gente vem conversando recorrentemente com o Ministério da Justiça e Segurança Pública. Esperamos que o lançamento apresentado hoje possa contribuir para manter as pessoas mais seguranças", disse Maia Mau, diretora de marketing do Google Brasil". Recurso do Android que bloqueia a tela do celular se alguém o arrancar da sua mão Google/Divulgação A "gangue da bicicleta" foi um dos casos que chamou a atenção da liderança do Android, motivando a criação do "modo ladrão". As quadrilhas, que atuam no centro de São Paulo, circulam procurando vítimas na rua. Quando encontram, elas arrancam o celular da mão da vítima e saem pedalando. "O Brasil é uma prioridade altíssima para a liderança do Android. Foi importante ter esse contexto aqui no nosso país para eles anunciarem esses recursos hoje", afirmou Bruno Diniz, engenheiro de software do Google. Para que o recurso funcione, o usuário deve ativar o bloqueio de detecção de roubo nas configurações do aparelho. A big tech admite que, quando habilitado, pode ocorrer de o dispositivo identificar um movimento abrupto por engano e bloquear a tela. Também no Google For Brasil 2024, a empresa anunciou o "Bloqueio de dispositivo offline", que passa a bloquear a tela do smartphone automaticamente caso ele fique por muito tempo sem acesso à internet. Isso para evitar que criminosos tentem desconectar o aparelho da internet para não serem localizados. 'Bloqueio remoto' sem login O Google ainda disse que pretende facilitar o acesso indevido ao aparelho caso ele seja roubado, furtado ou perdido. Em uma página dedicada, o usuário poderá digitar o número do seu celular para fazer o bloqueio da tela instantaneamente a partir de outro dispositivo, como notebook. Para evitar que bots (robôs) desativem a tela em massa de vários smartphones e até para evitar brincadeiras entre amigos, o usuário precisa "concluir um rápido desafio de segurança" antes de fazer o bloqueio. "A medida visa dar mais tempo para que o usuário recupere os detalhes da sua conta e acesse opções mais robustas no Encontre Meu Dispositivo ? como a localização do aparelho ou a exclusão de todo seu conteúdo", explicou o Google. LEIA TAMBÉM: O que são 'cookies' na internet e como eles funcionam? Cozinheira perde R$ 80 mil em dois meses: relatos de quem perdeu tudo com cassinos online Duelo de celulares: Moto Edge 50 Ultra x Galaxy S24+ Celular perdido? Veja como localizar iPhone e Android pelo computador ou por app Apple Vision Pro: veja primeiras impressões sobre óculos de realidade virtual Saiba se está sendo vigiado: veja sinais um celular infectado com aplicativo espião

11/06/2024

iPhone terá ChatGPT integrado, nova Siri e mais recursos de IA; veja o que muda com o iOS 18

Nova versão do sistema operacional da Apple foi liberada para desenvolvedores e chegará para todos no segundo semestre. Recursos mais avançados não serão liberados para todos os iPhones. Tim Cook, presidente-executivo da Apple AP Photo/Jeff Chiu O lançamento do iOS 18 confirmou que a aposta da Apple na inteligência artificial (IA). A empresa anunciou o Apple Intelligence, bem como uma parceria com a OpenAI, dona do ChatGPT, e várias mudanças na assistente Siri que devem simplificar o uso do iPhone. O Apple Intelligence é um conjunto de recursos com foco em inteligência artificial que será liberado somente para iPhone 14 Pro e iPhone 15 Pro Max, além de modelos de iPad e Mac com chip M1 ou posterior. Inicialmente, para usar o pacote de funcionalidades, será preciso deixar a Siri e o idioma do aparelho em inglês. E parte dos recursos será liberada somente em 2025, segundo a Apple. Veja abaixo as principais novidades do iOS 18. A versão beta do iOS 18 para desenvolvedores foi liberada na segunda-feira (10) e deve ficar disponível em julho para os demais participantes do programa de testes. A versão oficial chegará no segundo semestre deste ano ? veja quais modelos de iPhone serão compatíveis. ChatGPT no iPhone A OpenAI oferece o aplicativo do ChatGPT para iPhone há mais de um ano. Mas, agora, o robô será integrado diretamente aos sistemas da Apple e poderá ser usado até por quem não baixou o app. Quando chegará? Ainda este ano para iOS 18, iPadOS 18 e macOS Sequoia O que poderá fazer? Gerar textos e fotos em aplicativos a partir de descrições curtas por escrito No exemplo da Apple, o ChatGPT foi usado para criar uma história de ninar com base em uma breve sinopse. E, mesmo após o texto ser criado, foi possível fazer ajustes, como incluir detalhes ou adicionar fotos. Para garantir privacidade, a Apple vai ocultar endereços de IP de quem usar o recurso. A empresa também disse que as solicitações não serão armazenadas pela OpenAI. Apple anunciou integração do ChatGPT com sistemas de iPhone, iPad e Mac Divulgação/Apple Nova Siri A Siri ficará "mais natural, pessoal e capaz de entender o contexto", segundo a empresa. A assistente usará o Apple Intelligence para realizar mais ações relacionadas a outros aplicativos e usará o ChatGPT quando for preciso. O que poderá fazer? Entender o que está sendo exibido na tela, continuar com o raciocínio mesmo que você se atrapalhe na pronúncia e alternar entre comandos de texto e voz Ao saber o que é exibido na tela, a Siri também poderá salvar na página de um contato o endereço que chegou na conversa ou reproduzir o podcast que alguém te sugeriu, por exemplo. Siri no iOS 18 Divulgação/Apple Recursos de inteligência artificial A chegada do Apple Intelligence levará recursos de IA para várias áreas de iPhone, iPad e Mac. O novo pacote de funcionalidades poderá ser usado para: ? Encontrar informações importantes com opções de mensagens e notificações prioritárias ? o sistema também ganhará um novo modo de foco em que analisará o conteúdo da notificação para saber se ela precisa de atenção imediata; ? Resumir em tópicos o conteúdo de ligações e áudios gravados no aplicativo de notas; ? Criar emojis a partir de comandos de texto com o novo recurso Genmoji, que pode se integrar com aplicativos de mensagens; ? Melhorar a pesquisa por fotos e vídeos ao permitir descrições nas buscas, como "Katie com adesivos em seu rosto"; ? Remover objetos que aparecem no fundo de imagens. Tela inicial personalizada no iOS 18 Divulgação/Apple O que mais será liberado? A Apple também apresentou outras novidades para o iOS 18. Veja o que mais chegará ao sistema do iPhone: ? Bloqueio de aplicativos para que só possam ser abertos por reconhecimento facial, impressão digital ou senha; ? Gerenciador de senhas que reúne informações de acesso a sites e aplicativos, além de oferecer alertas sobre senhas fracas, repetidas ou que aparecem em vazamentos de dados; ? Tela inicial mais personalizável, com a possibilidade de aumentar o tamanho e alterar as cores dos ícones; ?? Customização da Central de Controle, que dará mais liberdade para editar tamanho e posição de ícones; ?? Atualização do aplicativo Fotos, que poderá criar pastas apenas com fotos de pessoas, animais ou viagens por exemplo, além de melhorar a visualização de fotografias. Novo visual do app Fotos, da Apple Divulgação/Apple iOS 18 Reprodução/Apple iOS 18 Reprodução/Apple Novo iOS 18 Apple/Reprodução

10/06/2024

iOS 18: veja quais iPhones vão receber atualização

Por enquanto, o iOS 18 está disponível apenas para desenvolvedores. A Apple deve disponibilizar o novo sistema operacional para todo mundo em setembro, durante o lançamento do possível iPhone 16. iOS 18 Reprodução/Apple A Apple apresentou nesta segunda-feira (10) o iOS 18, a nova versão do sistema operacional dos iPhones. A empresa também divulgou quais modelos receberão a atualização e quais ficarão de fora (veja abaixo quais são). Por enquanto, o iOS 18 está disponível apenas para desenvolvedores. A Apple deve disponibilizar o software para todo mundo durante o lançamento do possível iPhone 16, em setembro deste ano. ? Veja quais iPhones vão receber o iOS 18: iPhone 15, 15 Plus, Pro e Pro Max; iPhone 14, 14 Plus, Pro e Pro Max; iPhone 13, 13 Mini, Pro e Pro Max; iPhone 12, 12 Mini, Pro e Pro Max; iPhone 11, 11 Pro e Pro Max; iPhone XS e iPhone XS Max; ? Veja quais iPhones NÃO recebem o iOS 18: iPhone SE; iPhone XR; iPhone X; iPhone 8; iPhone 8 Plus. Principais novidades do iOS 18 O iOS 18 ganhou mais opções de personalização. Agora, é possível bloquear aplicativos e exigir uma verificação por biometria para ele ser aberto, o que promete oferecer mais privacidade aos usuários. Os ícones de aplicativos na tela inicial poderão ser posicionados em qualquer lugar, sem precisar obedecer a "grade" que deixa todos alinhados. Novo iOS 18 Apple/Reprodução O sistema também ganhou um novo modo noturno, em que os usuários poderão escolher outras cores para personalizar aplicativos. A Central de Controle, que dá acesso a opções de Wi-Fi, Bluetooth, controle de som, brilho, entre outros, ganhou um visual mais limpo, com ícones mais arredondados e com mais opções de personalizar o tamanho dos atalhos. Apple Vision Pro: veja primeiras impressões sobre óculos de realidade virtual Conheça o GPT-4o, novo modelo de IA usado pelo ChatGPT

10/06/2024

Como ataque de hackers russos paralisou transfusões de sangue em Londres

O NHS, sistema de saúde público britânico, afirma que não é possível processar o sangue dos pacientes com a mesma frequência por causa do ataque cibernético da semana passada. Ação também levou ao cancelamento de exames e cirurgias em Londres GETTY IMAGES via BBC Um ataque cibernético realizado na semana passada levou ao cancelamento de cirurgias, exames e transfusões de sangue nos principais hospitais de Londres, no Reino Unido. Acredita-se que um grupo de hackers russo, conhecido como Qilin, esteja por trás do ataque do tipo ransomware, que teve como alvo a Synnovis, empresa que presta serviços de patologia para hospitais do NHS, sistema de saúde público britânico. Em decorrência do ataque, os hospitais afetados não estão conseguindo processar o sangue correspondente dos pacientes com a mesma frequência de sempre. O NHS Blood and Transplant, órgão público responsável pelas doações de sangue, está fazendo então um apelo para que doadores do tipo sanguíneo "O" (com fator Rh positivo e negativo) marquem uma consulta para doar, no intuito de aumentar os estoques, uma vez que este tipo sanguíneo é considerado seguro para todos os pacientes. Memorandos enviados a funcionários do NHS e serviços de atenção primária à saúde em Londres alertaram para um "incidente crítico". Os ataques do tipo ransomware geralmente envolvem hackers obtendo acesso a uma rede de computadores e criptografando arquivos ou bloqueando os usuários de seus sistemas até que um resgate seja pago. Hospitais lançaram um apelo por mais doações de sangue EPA-EFE/REX/SHUTTERSTOCK via BBC Para realizar cirurgias e procedimentos que exigem transfusão de sangue, os hospitais estão precisando usar o tipo sanguíneo "O". E, como o sangue tem um prazo de validade de 35 dias, os estoques precisam ser continuamente reabastecidos, explicou o NHS. Isso significa que serão necessárias mais unidades do que o normal deste tipo de sangue nas próximas semanas. O sangue "O" negativo, conhecido como tipo sanguíneo universal, pode ser recebido por qualquer pessoa. É usado em emergências ou em qualquer outra situação em que o tipo sanguíneo do paciente seja desconhecido. Ambulâncias aéreas e veículos para atendimento de emergência transportam suprimentos de "O" negativo. Apenas 8% da população possui sangue tipo "O" negativo, mas ele representa cerca de 15% das demandas hospitalares. Já "O" positivo é o tipo sanguíneo mais comum, de 35% dos doadores, e pode ser recebido por qualquer pessoa com fator Rh positivo. Isto significa que três em cada quatro pessoas, ou 76% da população, podem se beneficiar de uma doação de sangue "O" positivo. Na campanha para doação de sangue nesta semana, foi revelado que são necessárias três doações de sangue a cada minuto nos hospitais. Segurança dos pacientes "A segurança do paciente é nossa prioridade absoluta", afirmou Gail Miflin, médica chefe do NHS Blood and Transplant. ?Quando os hospitais não conhecem o tipo sanguíneo de um paciente ou não conseguem um correspondente, é seguro usar o sangue tipo 'O'." "Para auxiliar os hospitais de Londres na realização de mais cirurgias e na prestação do melhor atendimento possível a todos os pacientes, precisamos de mais doadores 'O' negativo e 'O' positivo do que o habitual", acrescentou. O professor Stephen Powis, diretor médico do NHS England, o serviço público de saúde da Inglaterra, disse que os funcionários estavam se "desdobrando para minimizar o transtorno significativo para os pacientes" causado pelo ataque cibernético. "Sabemos que uma série de cirurgias e consultas foram adiadas ou transferidas para outros hospitais vizinhos não afetados pelo ataque cibernético, à medida que priorizamos os serviços de patologia para os casos clinicamente mais urgentes", completou. 'Um duro lembrete' "Lamentamos muito a inconveniência que isso está causando aos pacientes, usuários do serviço e qualquer outra pessoa afetada", afirmou a Synnovis por meio de um porta-voz. "Estamos fazendo o nosso melhor para minimizar o impacto, e vamos continuar em contato com os serviços locais do NHS para manter as pessoas atualizadas com os desdobramentos." O porta-voz acrescentou que a empresa havia "investido fortemente" para "garantir que o sistema de informática seja o mais seguro possível". "Este é um duro lembrete de que este tipo de ataque pode acontecer com qualquer pessoa a qualquer momento e que os indivíduos por trás dele não têm escrúpulos em relação a quem suas ações podem afetar." A empresa comunicou ainda que o incidente foi denunciado às autoridades de segurança pública e ao Escritório do Comissário de Informações (ICO, na sigla em inglês), órgão responsável por garantir a privacidade de informações sobre os cidadãos do país. "Estamos trabalhando com o Centro Nacional de Segurança Cibernética e a Equipe de Operações Cibernéticas", acrescentou o porta-voz. 'O tipo mais grave de ransomware' De acordo com o ex-CEO do Centro Nacional de Segurança Cibernética, Ciaran Martin, hackers russos estão por trás do ataque cibernético. Em entrevista ao programa de rádio Today, da BBC, ele disse que o grupo criminoso estava "atrás de dinheiro", quando atacou a Synnovis. "Acreditamos que seja um grupo russo de criminosos cibernéticos que se autodenomina Qilin", afirmou Martin. Segundo ele, o grupo, que opera na chamada dark web, atuava "livremente dentro da Rússia" ? e já havia atacado empresas automotivas e tribunais australianos. "Eles estão simplesmente em busca de dinheiro", afirmou, acrescentando que o governo britânico tem uma política de não pagar resgates. Ele disse à BBC que era "improvável" que o grupo criminoso soubesse que causaria interrupções nos atendimentos de saúde quando organizou o ataque. "Há dois tipos de ataque de ransomware. Um deles é quando roubam um monte de dados e tentam extorquir você a pagar para que não sejam divulgados, mas este caso é diferente. É o tipo mais grave de ransomware, em que o sistema simplesmente não funciona", explicou. Martin afirmou ainda que o ataque foi "um dos mais graves que já vimos neste país". "Neste caso, não é realmente uma questão de dados, é uma questão de serviços. Os criminosos estão ameaçando publicar dados, mas sempre fazem isso. Aqui a prioridade é o restabelecimento dos serviços." Complexidade da infraestrutura digital acaba abrindo portas para ataques GETTY IMAGES via BBC O especialista em segurança cibernética Steve Sands, do Instituto Chartered para Tecnologia da Informação, disse que os ataques de ransomware são agora uma "ameaça sempre presente para instituições essenciais, de escolas a hospitais". "É claro que os criminosos não têm escrúpulos, e vão atacar qualquer organização cujas defesas cibernéticas não sejam suficientemente robustas", acrescentou. "Precisamos garantir que todas as organizações do setor público tenham planos de contingência para gerir ataques cibernéticos, que os funcionários recebam treinamento regularmente sobre os riscos e que haja investimento suficiente na resiliência do software." "Quem quer que forme o próximo governo, precisa garantir que o NHS disponha destes recursos, e que seja gasto corretamente, para garantir que vidas não sejam colocadas em risco." Awais Rashid, chefe do Grupo de Segurança Cibernética da Universidade de Bristol, no Reino Unido, lembrou que as infraestruturas digitais costumam ser uma combinação complexa de vários sistemas diferentes e provedores de serviços terceirizados. "Assim, os ataques cibernéticos podem ter impactos em cascata significativos e substanciais, como estamos vendo nesta situação em que os serviços essenciais de saúde estão sendo afetados", observou. LEIA TAMBÉM: Como 30 mil pessoas pegaram HIV e hepatite C ao receber transfusões no Reino Unido Ataque hacker interrompe funcionamento de hospitais nos Estados Unidos e FBI abre investigação

10/06/2024

Apple integra iPhone com ChatGPT e revela iOS 18; veja novidades

Empresa anunciou parceria com a OpenAI para levar robô conversador a recursos em seus celulares, tablets e computadores. Atualização no iPhone traz recurso que bloqueia apps com biometria. iOS 18 Reprodução/Apple A Apple revelou nesta segunda-feira (10) o Apple Intelligence, conjunto de recursos para iPhone, iPad e Mac focado em inteligência artificial (IA). Ele inclui, por exemplo, uma integração com o ChatGPT, robô conversador da OpenAI. O anúncio foi feito na WWDC 2024, evento da empresa para desenvolvedores que também serviu para apresentar outras novidades nos sistemas para iPhone, Apple Watch, iPad, Mac e Vision Pro. As ações da Apple fecharam o dia com queda de 1,9%, indicando que investidores não reagiram bem aos anúncios. A empresa tem um histórico negativo em dias de WWDC e terminou o pregão em baixa em 8 das últimas 10 edições da conferência, segundo levantamento da CNBC. A integração do ChatGPT com o iPhone poderá ser usada para responder a comandos na Siri e criar textos ou imagens. Mas, para garantir privacidade, a assistente sempre vai pedir autorização dos usuários para colocar o robô em ação. A novidade será liberada ainda este ano para iOS 18, iPadOS 18 e macOS Sequoia e usará o GPT-4o, a versão mais recente do modelo de inteligência artificial da OpenAI, que se tornou mais rápido para ouvir, conversar e descrever objetos ? saiba mais sobre o GPT-4o. Segundo a Apple, a Siri recebe cerca de 1,5 bilhão de comandos por dia e, com a atualização, ficará "mais natural, relevante e pessoal". A empresa disse que essa atualização marca "o começo de uma nova era" para a assistente. iPhone ganhou integração com o ChatGPT em atualização para iOS 18 Divulgação/Apple Apple Intelligence O Apple Intelligence deverá facilitar tarefas do dia a dia ao levar inteligência artificial para recursos de iPhone, iPad e Mac. O pacote de recursos poderá ser usado para: ?? Enviar comandos de texto e voz na Siri, que poderá analisar o que aparece na tela ?? Reescrever mensagens com tom informal, profissional ou conciso, além de resumir textos em tópicos ou tabelas; ? Encontrar informações importantes com opções de mensagens e notificações prioritárias ? o sistema também ganhará um novo modo de foco em que analisará o conteúdo da notificação para saber se ela precisa de atenção imediata; ? Resumir em tópicos o conteúdo de ligações e áudios gravados no aplicativo de notas; ? Criar emojis a partir de comandos de texto com o novo recurso Genmoji, que pode se integrar com aplicativos de mensagens; ? Melhorar a pesquisa por fotos e vídeos ao permitir descrições nas buscas, como "Katie com adesivos em seu rosto"; ? Remover objetos que aparecem no fundo de imagens; Genmoji, recurso da Apple para criar emojis personalizados Reprodução/Apple iOS 18 O iOS 18 ganhou mais opções de personalização e permitirá exigir uma verificação por biometria para abrir certos aplicativos, uma opção para oferecer mais privacidade aos usuários. A Apple também anunciou um gerenciador de senhas que reunirá informações de acesso a sites e aplicativos, além de oferecer alertas sobre senhas fracas, repetidas ou que já apareceram em vazamentos de dados. Na tela inicial, os ícones de aplicativos poderão ser posicionados em qualquer lugar, sem obedecer a "grade" que deixa todos alinhados. Os atalhos também poderão ser exibidos nas cores escolhidas pelos usuários. A Central de Controle, que reúne atalhos como Wi-Fi e Bluetooth, vai aceitar ícones de aplicativos de terceiros e permitirá organizar ícones em diferentes grupos e tamanhos. O iOS 18 também permitirá personalizar ícones que aparecem na parte inferior da tela de bloqueio. iOS 18: veja quais iPhones vão receber atualização O aplicativo Fotos, onde são armazenados os registros feitos com a câmera do iPhone, foi totalmente redesenhado para manter imagens mais organizadas. A nova versão consegue criar por conta própria pastas específicas só com fotos de pessoas, animais ou viagens, por exemplo. Também está mais fácil visualizar fotografias tiradas hoje, ontem, por mês ou ano. E, assim como já faz o Google Fotos, no iOS 18, o app Fotos do iPhone pode classificar imagens por rosto. Novo iOS 18 Apple/Reprodução watchOS 11 O watchOS 11, sistema do Apple Watch, ganhou um recurso que leva em consideração a intensidade e a duração de exercícios para avaliar seu desempenho com atividades físicas. A nova versão também analisa seus resultados com base no nível de esforço desejado. O novo aplicativo Vitals permite visualizar informações da saúde ao longo da semana na tela inicial do Apple Watch. Ele também consegue exibir alertas sobre as métricas se identificar que algo não está bem. iPadOS 18 Pela primeira vez, o iPad passa a ter aplicativo nativo de calculadora (incluindo a científica) a partir do iPadOS 18. O app é bem semelhante ao que já está no iPhone e suporta a caneta Apple Pencil. O sistema também ganhou o recurso Math Notes, que funciona como um assistente para exercícios de matemática. Ele é capaz de oferecer respostas para atividades, entender variáveis e criar gráficos, por exemplo. Math Notes, recurso do iPadOS 18 Reprodução/Apple visionOS 2 A Apple também apresentou o visionOS 2, nova versão do sistema para seus óculos de realidade virtual Vision Pro. Segundo a empresa, há mais de 2.000 aplicativos criados especialmente para o dispositivo. Entre as novidades, está um efeito que dá a sensação de profundidade em fotos comuns. Ele promete criar efeito que "transforma fotos em memórias 3D", além de melhorias para entender gestões com a mão usados para navegar no sistema. Os óculos também chegarão para outros 13 países, mas, por enquanto, o Brasil ainda não está na lista. visionOS 2, sistema operacional para o Apple Vision Pro Reprodução/Apple macOS Sequoia Uma das principais novidades do macOS Sequoia é o recurso que navegar no iPhone pela tela do Mac. É possível, por exemplo, estudar em um aplicativo de celular enquanto as imagens e o som saem do notebook. Mas, como o app é customizado para celular, o Mac não consegue expandir a visualização. Usando o iPhone no Mac Reprodução/Apple LEIA TAMBÉM: Cozinheira perde R$ 80 mil em dois meses: relatos de quem perdeu tudo com cassinos online Ligação, áudio ou texto? As regras de etiqueta para conversas por WhatsApp no trabalho Tim Cook, CEO da Apple Reprodução/Apple WWDC 2024, evento anual da Apple para desenvolvedores Divulgação/Apple

10/06/2024

Como primeiro 'bordel cibernético' com bonecas de IA vem gerando discussões entre críticos e defensores

Nesse tipo de negócio, os clientes têm a oportunidade de interagir verbal e fisicamente com 'pessoas' criadas por inteligência artificial. Apesar disso, empresas do ramo do entretenimento adulto admitem que os interessados nessas experiências precisam ter cautela. Bonecas do 'bordel cibernético' Cybrothel estão sendo preparadas com IA DIVULGAÇÃO/CYBROTHEL No final deste mês, adultos em Berlim poderão reservar uma hora com uma boneca sexualizada feita de inteligência artificial (IA), quando o primeiro bordel cibernético do mundo lançará seu serviço após uma fase de testes. Os clientes poderão interagir verbal e fisicamente com personagens feitos de IA. "Muitas pessoas se sentem mais confortáveis ??em compartilhar assuntos privados com uma máquina, porque ela não julga", defende Philipp Fussenegger, fundador e proprietário da Cybrothel. "Antes, havia um interesse significativo em bonecas com dubladoras, onde os usuários podiam apenas ouvir a voz e interagir com a boneca. Agora, há uma demanda ainda maior por interação com inteligência artificial." Uma análise da consultoria SplitMetrics revelou que os aplicativos de IA com a finalidade de oferecer companhia chegaram a 225 milhões de downloads na loja virtual Google Play Store. "Espero que mais desenvolvedores de aplicativos observem essa tendência e procurem maneiras para esse setor ser ainda mais inovador e monetizado", aponta o gerente geral da SplitMetrics, Thomas Kriebernegg. Usar a IA para oferecer companhia aos usuários pode ser algo lucrativo, diz Misha Rykov, pesquisador de privacidade do projeto Privacy Not Included, da Fundação Mozilla. "Dado que a maioria dos chatbots [assistentes virtuais] cobra taxas e que a tecnologia principal foi desenvolvida em outro lugar [como Open AI], parece um negócio com alta margem de lucro. Além disso, esses aplicativos coletam dados pessoais e muitas vezes os compartilham com terceiros, como anunciantes ? um modelo de negócios testado e comprovado." Kerry McInerney diz que é importante saber com quais bases os chatbots sexuais estão sendo treinados JASON SHELDON/JUNCTION 10 PHOTOGRAPHY Mas a fusão da IA ??com negócios do ramo de entretenimento adulto disparou o alarme. Um problema está nas tendências inerentes à IA generativa, que produz novos conteúdos com base nos dados com os quais foi treinada. Existe o risco de que estereótipos de gênero retrógrados sobre sexo e prazer estejam presentes em chatbots sexuais, diz Kerry McInerney, pesquisadora sênior do Centro Leverhulme para o Futuro da Inteligência, da Universidade de Cambridge. "É crucial que compreendamos que tipos de conjuntos de dados são usados ??para treinar chatbots sexuais, caso contrário, corremos o risco de replicar ideias sobre sexo que rebaixam o prazer feminino e ignoram o sexo que existe fora das relações heterossexuais." Existe também o risco de dependência, diz Rykov, que afirma que os chatbots de IA têm como alvo pessoas solitárias, principalmente homens. ?A maioria dos chatbots de IA que analisamos têm alto potencial viciante e vários danos em potencial, especialmente para usuários com problemas de saúde mental.? Ele também indica que já foram encontrados em chatbots menções a assuntos como abuso, violência e pedofilia. Há também a questão da privacidade. Os chatbots de companhia são projetados para coletar "uma quantidade sem precedentes de dados pessoais". Rykov acrescenta que 90% dos aplicativos analisados ??pela Mozilla "podem compartilhar ou vender dados pessoais", enquanto mais da metade não permite que os usuários excluam dados pessoais. Outros alertam sobre os possíveis impactos negativos desse uso da IA nas relações do mundo real. "Algumas dificuldades podem surgir se encontros reais forem profundamente decepcionantes porque não atendem aos padrões estritamente definidos que os usuários experimentam na pornografia de IA", aponta Tamara Hoyton, consultora sênior do serviço de aconselhamento para relacionamentos Relate. Hoyton acrescenta que, em alguns casos, a pornografia de IA pode levar os usuários a áreas perigosas. "Não há nada de errado com um pouco de fantasia, e muitas pessoas são despertadas por pensamentos sobre os quais não têm absolutamente nenhuma intenção de agir; a pornografia com IA pode ser vista assim." ?Mas se isso esbarrar na questão do consentimento, por exemplo, em que há um senso de possessão [sobre um objeto sexual], ou que todos serão a projeção daquilo que o excita, com base na experiência do usuário, então há um problema.? Alguns argumentam que a IA poderia substituir trabalhadores do sexo GETTY IMAGES As empresas que utilizam IA na indústria do entretenimento adulto reconhecem que é necessário ter cautela, mas argumentam que essa tecnologia tem um papel importante a desempenhar. Philipp Hamburger, chefe de IA da Lovehoney, diz que a empresa pretende ?melhorar a experiência sexual dos seus clientes, em vez de substituí-la, o que é uma fronteira importante a traçar?. Outros acreditam que a IA terá um efeito positivo no setor. Ruben Cruz é o cofundador da The Clueless Agency, com sede em Barcelona, ??que criou uma das primeiras influenciadoras de IA, Aitana Lopez. Ele ressalta que a indústria do sexo sempre existirá e que a IA pode ajudar a mitigar preocupações éticas, garantindo que esse ramo não conte com pessoas reais ? na prostituição ou na produção de filmes pornô, por exemplo. ?Esta mudança visa garantir que nenhuma pessoa, homem ou mulher, tenha de ser explicitamente sexualizada no futuro.? LEIA TAMBÉM: Ligação, áudio ou texto? As regras de etiqueta para conversas por WhatsApp no ambiente de trabalho Venda ilegal de celulares triplica em um ano; entenda os riscos de aparelhos irregulares O que são 'cookies' na internet e como eles funcionam? Apple Vision Pro: veja primeiras impressões sobre óculos de realidade virtual Microsoft anuncia linha de computadores com foco em inteligência artificial 'Stalking': saiba quando a perseguição na internet se torna crime

09/06/2024

Ligação, áudio ou texto? As regras de etiqueta para conversas por WhatsApp no ambiente de trabalho

Especialista em carreira dá dicas para você não errar ao mandar mensagens no ambiente de trabalho. Você é do time que detesta enviar e receber mensagens de voz ou do que manda "podcasts" diários aos amigos? No Brasil, o segundo parece estar ganhando: os brasileiros enviam quatro vezes mais áudios no WhatsApp do que em qualquer outro país do mundo. Foi o que contou Mark Zuckerberg, dono da plataforma, que inclusive se referiu ao app como ZapZap (do jeito que os brasileiros gostam de chamar). O aplicativo de mensagem deixou de ser um meio de conversar apenas com amigos e familiares e passou a envolver todos os aspectos da vida das pessoas, até o trabalho. Com isso, também surgiram "regras" ou "boas práticas" de como se comunicar por ele (veja dicas abaixo). "Estamos vivendo a 'plataformização' das conversas cotidianas. As redes sociais oferecem funcionalidades que nos apropriamos e isso passa a conformar as nossas práticas e, sobretudo, a nossa comunicação", explica ao g1 Issaaf Karhawi, do núcleo de pesquisa de comunicação e mídias digitais da USP (Universidade de São Paulo). Segundo a pesquisadora, conforme uma sociedade passa a utilizar uma nova ferramenta para se comunicar, novos contratos e arranjos sociais surgem. "Como resultado disso, nós começamos a desenhar uma 'conduta ética' entre as plataformas. O que se espera em cada uma delas e como nos apresentamos em cada uma", diz. É essa diferença entre as características de cada rede social que faz com que uma mesma pessoa possa se comportar de maneira completamente diferente no LinkedIn, no Instagram ou no WhatsApp, por exemplo. "Se pensamos no impacto do WhatsApp no espaço de trabalho, hoje já começamos a discutir coisas do tipo 'será que é razoável ou não receber mensagem do chefe no final de semana', 'será que ele é um espaço de trabalho ou é pessoal', 'será que uma pessoa com quem nunca falei pode mandar áudio sem antes se apresentar'?", explica Issaaf Karhawi. Brasil manda 4x mais áudios no WhatsApp do que outros países, diz Zuckerberg ??Por que mandamos tanto áudio? Não há embasamento científico que explique a adesão massiva dos brasileiros às mensagens em áudio. Mas, para a especialista, o fato do Brasil ser um país acostumado a consumir formatos audiovisuais pode ter influenciado. "A telenovela tem uma importância ímpar na sociedade brasileira. Ela foi responsável por um certo 'letramento audiovisual' da população. Já estávamos habituados", explica. A outra hipótese está relacionada a educação básica no Brasil. Quase 9 milhões de brasileiros de 18 a 29 anos não concluíram a escola. "É evidente que uma funcionalidade de envio de áudio terá mais adesão, pois oferece uma maior acessibilidade", conclui. ? Dicas para não errar mandando zap no trabalho Ligação, áudio ou mensagem? "A comunicação em texto é sempre mais delicada porque o receptor da mensagem pode perceber a entonação que ele quiser, o áudio já ajuda nesse aspecto. Mas quando assunto precisa ser mais detalhado, a ligação é a melhor opção", explica Mariana Torres, especialista em Recursos Humanos e Carreira. Na dúvida de como ter uma comunicação mais assertiva, sempre pergunte como a outra pessoa prefere falar. E claro, se for a primeira mensagem não se esqueça de fazer uma breve introdução em texto sobre você e qual é o assunto da conversa. Veja as dicas da especialista para cada formato: ?? Texto Evite textos muito longos e sem pausas. Pode escrever tudo em uma mensagem, mas colocar um 'enter' entre parágrafos ajuda na leitura. Nada de abreviar palavras ou usar gírias, é uma comunicação formal. Cuidado com erros de digitação. Cuidado com palavras de dupla interpretação, precisa ter cuidado redobrado com texto. ??Áudio Prefira um ambiente sem ruídos. Nada de áudios muito longos (mais de 3 minutos): se for um podcast, é sinal que deveria ter sido uma ligação. Cuidado com a qualidade do som. Usar um fone de ouvido com microfone é uma boa opção. ?Ligação Garanta que a conexão está boa. Uma ligação com muitas falhas pode interferir negativamente na comunicação. Seja objetivo no assunto.

09/06/2024

O que são 'cookies' na internet e como eles funcionam?

"Clique para aceitar nossos cookies". A frase já se tornou usual para milhões de usuários. Entenda para que eles foram criados e quais as opções para quem navega na internet. Os cookies são arquivos criados por sites para coletar informações sobre a sua navegação na internet. Eles são transferidos para o seu dispositivo e podem servir para vários objetivos, como oferecer mais comodidade. Isso inclui, por exemplo, manter a conta de um serviço ativa para você não precisar preencher login e senha toda vez, ou salvar os itens que você colocou anteriormente no carrinho de compras do site de uma loja. O aviso "Clique para aceitar nossos cookies" que vemos ao acessar algum site, por sua vez, tem relação com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que prevê a possibilidade de multas para quem descumprir regras sobre tratamento de informações. Ela é inspirada no Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (GPDR), criado pela União Europeia em 2018. Em vários casos, antes de clicar em "Aceitar cookies", é possível selecionar botões como "Minhas opções" para alterar o que será armazenado. Mas, na pressa, algumas pessoas acabam optando por aceitar tudo. Veja abaixo perguntas e respostas sobre o tema. Existe algum risco? O que são 'cookies' na web e quais riscos eles representam? Em geral, os cookies não representam perigo, já que eles costumam guardar códigos aleatórios ? e não dados pessoais ? para identificar usuários. Ainda assim, sites com práticas não recomendadas podem usá-los para armazenar nome, e-mail ou telefone, por exemplo. É o que explica Fabio Assolini, analista sênior da Kaspersky no Brasil. "Um website poderá guardar qualquer informação em um cookie, incluindo dados pessoais do usuário cadastrado ? o que, claro, não é recomendado", destaca Assolini. Mesmo sem coletar dados pessoais, os arquivos podem ter informações sobre seu histórico na internet. Cookies de terceiros, presentes em mais de um site, são capazes de identificar os termos que você busca e mostrar anúncios publicitários sobre eles em outras páginas, por exemplo. "Quem nunca fez uma busca de um produto no Google e depois, durante a navegação de internet, começou a ver propaganda daquele produto? Esse rastreamento se dá por cookies", diz Assolini. Em 2024, o Google começou o bloqueio do uso de cookies de terceiros em seu navegador Chrome para algumas pessoas. A empresa diz que, a partir de agora, passa a apostar em uma alternativa "mais focada em privacidade". Quais riscos os cookies representam? Como as empresas de tecnologia vendem publicidade on-line? Em dispositivos compartilhados por várias pessoas, há um risco com cookies que mantêm sua conta logada. Com eles, terceiros podem acessar livremente suas contas. A dica nesses casos é sempre fazer o logout, isto é, encerrar a sessão antes de deixar de usar o dispositivo. O analista também destaca que há meios de limitar a coleta informações por meio de cookies. "Você pode configurar o seu navegador para apagar os cookies, usar bloqueadores de propaganda, bloqueadores de rastreadores que também usam cookies", diz Assolini (veja dicas ao final do texto). Por que pedem que o usuário aceite os cookies? Alguns sites passaram a mostrar o aviso sobre cookies para cumprir regras da GDPR, que precisa ser seguida por empresas que processam dados de pessoas que estão na União Europeia, mesmo que não estejam sediadas na região. O regulamento europeu determina que sites devem receber consentimento para usar cookies, exceto em casos necessários. Ele também indica que, após a autorização dos usuários, as páginas devem oferecer o mesmo destaque para uma opção de voltar atrás e retirar a permissão. O Brasil não tem uma lei específica sobre cookies, mas especialistas apontam que seu uso é analisado no contexto do tratamento de dados. Pela LGPD, os sites que operam informações de usuários devem seguir alguns princípios, como os de necessidade, finalidade e transparência. "Não há nenhuma regra que obrigue que haja 'autorização' do usuário, por exemplo", diz Mariana Rielli, coordenadora de projetos do Data Privacy Brasil. No entanto, Mariana explica que, "uma vez que se considere a coleta de cookies um tratamento de dados pessoais, a LGPD se aplica como um todo, logo suas regras gerais devem ser seguidas". Segundo Paulo Rená, professor de direito do Centro Universitário de Brasília (CEUB), é preciso ficar claro para o usuário o motivo para o cookie ser coletado. "Tem que ser dito que os dados vão ser usados porque senão o site não funciona ou que tem alguns usos que são só para publicidade", afirma. Geralmente, essas detalhes são apresentados na Política de Privacidade dos sites. O que acontece se eu não aceitar? Em alguns sites, os avisos de cookies permitem controlar o que será coletado. Os termos variam, mas essas janelas costumam destacar a coleta de cookies necessários, que não pode ser desativada para não comprometer o funcionamento da página. Entre os cookies que podem ser recusados, estão os de marketing, que rastreiam sua navegação para mostrar anúncios; os funcionais, usados para o site lembrar que a conta está logada, por exemplo; e os de estatísticas, que servem para a página criar relatórios sobre a quantidade de visitas. Além das configurações para cada site, é possível mudar preferências em navegadores para restringir cookies de terceiros. Confira dicas para manter a segurança na internet

09/06/2024

Direita radical usa TikTok para ganhar jovens nas eleições do Parlamento da UE, que terminam hoje

Público está na mira de políticos após regiões da União Europeia diminuírem idade mínima de votação para 16 anos; pesquisa mostra que maioria dos jovens se informa sobre bloco através de redes sociais. Políticos europeus de extrema direita usam TikTok para se aproximar de jovens Termina neste domingo (9) a votação nos 27 países da União Europeia para eleger um novo Parlamento. As projeções mostram um avanço expressivo da extrema direita na conquista de cadeiras na Casa. Nas busca de votos, o TikTok se tornou um campo de batalha importante para partidos de direita. ? Clique aqui para seguir o canal de notícias internacionais do g1 no WhatsApp Políticos radicais vêm atraindo a atenção dos jovens online, com uma estratégia incomparável nas redes sociais. A primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni, por exemplo, acumula mais de 1,6 milhão de seguidores no TikTok. Além de Meloni, autoridades de extrema direita, como o premiê da Hungria, Viktor Orbán, e o grande nome atual do populismo francês, Marine Le Pen, acumulam um número significativo de seguidores ? e todos fizeram publicações em peso sobre as eleições europeias na rede social. Com cortes de vídeos rápidos, músicas atraentes e mensagens simples, autoridades tratam de questões polêmicas no continente, como imigração e apoio à Ucrânia. A qualquer sinal de interação, o algoritmo da plataforma impulsiona ainda mais vídeos relacionados ao conteúdo. ?A extrema direita investiu nas redes sociais desde muito cedo ? e agora está colhendo os frutos?, diz o professor de ciência política na Universidade Livre de Bruxelas, Dave Sinardet, à rede britânica BBC. A adaptação da mensagem política para atrair a ?geração TikTok? acaba sendo vista como um grande laboratório experimental dos líderes populistas durante as eleições, que incluem nas postagens trechos de aparições bombásticas na televisão e discursos inflamados. ALIANÇA NA DIREITA: as 3 mulheres decisivas para o futuro da União Europeia Rede social como fonte de informação Pesquisas recentes feitas pela União Europeia mostraram que redes sociais são a principal fonte de informação de jovens entre 15 e 30 anos do bloco. arte/ GloboNews Uma pesquisa realizada em abril pela própria União Europeia, a poucos meses da votação, mostra como as redes sociais se tornaram a principal fonte de informações entre os europeus entre 15 e 30 anos que estão aptos a votar. Respondendo à questão ?Como você se informa sobre a UE??, a maioria (56%) afirma utilizar as redes sociais para se manter informado sobre o bloco. A televisão é o segundo canal mais importante de informações da faixa etária, seguida da imprensa on-line (que contempla podcasts e plataformas de notícias). Uma pequena proporção (6%) relata não se manter informada sobre a UE. Análise: Eleições para Parlamento europeu mostram avanço da extrema direita na Europa A votação neste ano traz um contexto importante de mudança na legislação de vários países, que diminuíram a idade mínima para votação. Na Alemanha, Malta, Áustria e Bélgica, os jovens de 16 anos poderão participar destas eleições. Na Grécia, a redução de idade para votar caiu para 17 anos. Nas últimas eleições europeias, em 2019, a representação de jovens nas urnas atingiu um patamar recorde, com votos destinados, na maioria, a partidos verdes, que defendiam políticas climáticas mais eficientes. Na época, a preferência pelas legendas ambientalistas foi anunciada como ?onda verde? Neste ano, mais de seis em cada dez jovens cidadãos da União Europeia afirmaram que iriam votar. No entanto, uma mudança significativa vem à tona com a votação: no lugar de uma ?onda verde?, pode ocorrer a concretização de um impulso mais significativo para a direita desde a fundação da União Europeia.

08/06/2024

Atleta espanhola de marcha atlética comemora antes da hora, é ultrapassada e vira meme

A espanhola Laura García-Caro foi ultrapassada a cinco metros da linha de chegada no Campeonato Europeu de Roma. A ucraniana Lyudmila Olyanovska garantiu a medalha de bronze. Atleta espanhola de marcha atlética comemora antes da hora, é ultrapassada e vira meme Bombou nas redes sociais: a atleta espanhola Laura García-Caro estava a cinco metros da linha de chegada quando começou a comemorar a medalha de bronze, mas foi ultrapassada pela ucraniana Lyudmila Olyanovska. A derrota aconteceu durante a prova feminina de marcha atlética do campeonato Europeu de Atletismo de Roma, nesta sexta (7), e virou meme nas redes sociais: "por isso não se deve comemorar antes da hora". Nas imagens, é possível ver quando García-Caro carrega uma bandeira da Espanha, ergue os braços, olha para as câmeras e sorri. A ucraniana aproveita o deslize da adversária e avança. Segundo a Televisão Espanhola (RTVE), a Real Federação Espanhola de Atletismo (RFEA) apresentou queixa alegando que a ucraniana correu na reta final, não seguindo todas as técnicas da marcha. Veja repercussão nas redes sociais: Atleta comemora antes da linha de chegada e é ultrapassada durante prova de marcha atlética Reprodução/RTVE Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text

08/06/2024

Cozinheira perde R$ 80 mil em dois meses: relatos de quem perdeu tudo com cassinos online

Autônoma começou a jogar para passar o tempo e em pouco tempo estava apostando altas quantias no 'jogo do foguete'. Advogada perdeu R$ 100 mil um ano após chegar a jogo indicado por influenciadora. Patrícia é cozinheira e diz que perdeu mais de R$ 80 mil em jogos de cassino online. Arquivo Pessoal "Acordava de madrugada para jogar. Ganhava, mas rapidamente a ganância me dominava e eu não parava até perder tudo". Esse é um dos muitos relatos de quem tem enfrentado problemas com dependência em jogos no Brasil. Em uma comunidade online, quase 500 pessoas se reúnem para desabafar e buscar apoio para parar de perder dinheiro e retomar o controle de suas vidas. ? Duas mulheres que perderam altos valores em pouco tempo em apostas online contaram ao g1 o processo que as levou até esse caminho. ? Em comum, está a vontade de alertar outras pessoas sobre os riscos da dependência. ? Os jogos citados nesta reportagem são do tipo caça-níquel online, que foram autorizados no Brasil pela lei 14.790/2023, a mesma que regulamentou o funcionamento das bets ? como são chamadas as plataformas de apostas esportivas. No entanto, eles são diferentes das apostas esportivas que envolvem desempenho de atletas reais. ? Pela lei sancionada, menores de 18 anos não podem fazer apostas. Também é vedada a participação de pessoas diagnosticadas com ludopatia, que é a compulsão por jogos de azar. ? A lei autoriza que esse tipo de jogo de resultado aleatório seja ofertado exclusivamente online ? ou seja, não permite a instalação de máquinas físicas para a realização desse tipo de jogo, e proíbe a veiculação de "afirmações infundadas" sobre as chances de ganhar. LEIA TAMBÉM: Minutos pagantes: promessa de lucro fácil em jogos caça-níquel online é fraude, dizem especialistas e setor Nesta reportagem, você vai ver: Patrícia: cozinheira que perdeu R$ 80 mil em 2 meses Juliana*: advogada que perdeu R$ 100 mil Grupo de Ajuda Como proteger quem se vicia? Regulamentação ??Cozinheira perdeu R$ 80 mil em dois meses: "comparo ao crack" Cozinheira faz alerta sobre vício em cassinos online O relato que abriu esta reportagem é de Patrícia, cozinheira de 43 anos do interior de São Paulo. Ela disse que entrou no mundo dos jogos online de forma despretensiosa, mas o vício acabou levando todas suas economias. "A evolução do vício é muito rápida e comparo mesmo ao crack. Eu zerei R$ 80 mil em dois meses sem perceber", disse a cozinheira. Patrícia é casada, tem quatro filhos e um neto. Ela conta que nunca gostou de apostas por causa de um trauma familiar, já que um irmão havia perdido praticamente tudo em jogos. Mas, sua relação com os jogos começou a mudar no final de 2020. Um dia, enquanto cuidava do neto doente, ela recebeu uma propaganda no celular de um jogo online que envolvia apostas. Por curiosidade, ala acessou o link e começou a jogar. "Nessa época eu estava com as minhas contas em dia. Eu trabalho vendendo as minhas marmitas e o negócio ia muito bem. Além disso, eu tinha uma reserva no banco", conta. Patrícia é cozinheira e vende marmitas sob encomenda. Arquivo Pessoal A primeira aposta veio no jogo conhecido como crash, ou "jogo do foguete". (Entenda mais abaixo) "Entrei para passar o tempo. O meu neto logo melhorou e voltou para a creche, mas eu, sem perceber, estava me afundando", recorda. "Acordava de madrugada para jogar. Ganhava, mas rapidamente a ganância me dominava e eu não parava até perder tudo. Nem percebi o dinheiro saindo da conta, mas lembro que no aniversário do meu neto eu não tinha dinheiro para ajudar na festa", conta. Desse dia em diante, a vida da Patrícia saiu dos eixos: ? começou a pegar empréstimo; ? deixou de pagar contas básicas; ? vendeu o celular; ? emprestou dinheiro com agiota. Quando decidiu pegar R$ 5 mil emprestados com um agente financeiro informal (agiota), ao invés de pagar as contas atrasadas, a cozinheira tentou lucrar mais uma vez com os jogos online. "Coloquei tudo no jogo porque, na minha cabeça, eu tinha o controle e poderia fazer R$ 100 por dia e sair desse buraco. Perdi os R$ 5 mil em minutos", recorda. Minutos pagantes: promessa de lucro fácil em jogos caça-níquel online é fraude, dizem especialistas e setor ? 'Minha conta explodiu como um foguete' Imagem ilustrativa mostra mulher acompanhando rede social em telefone celular. g1 Patrícia conta que o jogo que a viciou é conhecido como "jogo do foguete", mas que também tem em outras versões, como "jogo do aviãozinho", disponíveis em várias plataformas. Nele, o usuário aposta na decolagem de uma aeronave e é preciso finalizar o lance antes que ela exploda. Quanto mais alto o foguete for, mais o apostador ganha. No entanto, se ele cair antes, todo o dinheiro é perdido. "Foi nesse jogo que eu mais perdi dinheiro. Minha conta bancária que explodiu como um foguete depois disso. Depois desse jogo, passei a apostar também nos slots, que são os caça-níqueis", relata. Cerca de um ano após a primeira aposta, o vício da Patrícia foi revelado para a família da pior maneira possível. "Meu marido vendeu o carro e colocou R$ 10 mil na minha conta, porque não gostava de mexer com banco. [ele] Falou para deixar guardado para dar entrada em outro carro. No entanto, Patrícia torrou o dinheiro em novas apostas. "Em menos de um mês ele veio falar comigo e precisei contar a verdade. Foi horrível", conta. Foi após essa conversa que a situação de sua saúde mental se agravou, com um quadro de ansiedade e depressão. Em 2022 e 2023, Patrícia viveu altos e baixos. No meio do ano passado a situação parecia estar melhorando e, com a venda de marmitas, ela começou a quitar dívidas. Mas, veio a recaída, que é algo com que luta até hoje. ? Entre as tentativas de se livrar do vício, está a instalação de um aplicativo que bloqueia os jogos. No entanto, nas crises de abstinência, Patrícia volta a permitir o acesso. "Hoje eu vendo o almoço para comprar a janta e não tenho condições para pagar uma ajuda profissional. E a ajuda gratuita é demorada. A ajuda tem que ser emergencial, não pode ser uma consulta por semana. Acho que para vencer o essencial é a família, que tem que tirar o celular e o cartão", conta. Recentemente, a cozinheira conheceu o grupo Jogadores Anônimos em mais uma tentativa de se livrar do vício dos jogos online. A instituição nasceu nos EUA nos anos 1950, quando os jogos eram outros, mas as histórias eram parecidas. (Saiba mais sobre o grupo abaixo). LEIA TAMBÉM: Contas de 'jogo do tigrinho' inundam Instagram e incomodam usuários; entenda Entenda o que muda com novas regras para apostas esportivas online 'Jogo do Tigre', 'Aviator' e mais: promessas de dinheiro fácil colecionam reclamações ?? Perdi R$ 100 mil em um ano Em outro grupo de ajuda online, encontramos Juliana*, uma advogada do Paraná que decidiu falar sob a condição de anonimato. Ela conta que viu a vida mudar em pouco mais de um ano por causa de um simples jogo online que acessou em um momento de relaxamento. ?Eu sempre vi os outros falando de jogos e apareceu uma influenciadora dizendo que estavam dando um bom ganho e que daria para tirar uma renda. Eu fiquei dias pensando naquilo e os anúncios foram aumentando, até que eu entrei", recorda. Jogo caça-níquel Fortune Tiger, conhecido como jogo do tigrinho Matheus Moreira O primeiro contato com jogos de aposta online foi com o chamado ?jogo do tigrinho?, também disponível em várias plataformas. Ela conta que apostou R$ 30 e perdeu, mas na segunda tentativa apostou R$ 50 e acabou tendo o primeiro lucro. O dinheiro, no entanto, logo começou a ir embora nas apostas seguintes. "Eu comecei com R$ 30 e acabei perdendo R$ 100 mil com esses joguinhos online", conta ela. As idas e vindas envolveram empréstimos bancários e dívidas com familiares. "Ganhei um pouco, mas perdi o valor depois. Pensei em recuperar e comecei a apostar R$ 100, depois parti para R$ 500 e foi indo?, disse Juliana. As apostas foram migrando para outros tipos de jogos com dinâmicas semelhantes, mas com nomes diferentes, como o jogo do coelho, do ratinho e do touro. As coisas começaram a sair do controle quando ela e o marido planejaram a festa de aniversário da filha. Ele tinha dado R$ 1 mil para Juliana, que seria a parte dele nos gastos, mas ela acabou gastando tudo nas apostas. Para tentar recuperar esse dinheiro, a advogada se endividou. ?Eu tinha um limite de R$ 20 mil no banco e acabei pegando R$ 5 mil. Mas eu joguei e perdi esse dinheiro todo em um dia, tentando recuperar o dinheiro que o meu marido me deu?, contou. Após esse episódio, Juliana foi ao banco e conseguiu liberar R$ 30 mil em empréstimo e a tentação do jogo a pegou mais uma vez. Foi quando a bola de neve das dívidas saiu do controle para ela. Sempre na tentativa de pagar a dívida anterior, a advogada acumulava empréstimos e apostava mais e mais dinheiro. Além do banco, ela acabou pegando dinheiro emprestado com familiares. Quando o salário caía na conta, a média para o valor ir todo embora era de apenas cinco horas. "Teve um dia que perdi todo o meu salário e o meu marido me viu no banheiro chorando. Ele decidiu me ajudar, emprestando dinheiro. Eu quitei todas as dívidas, mas ao invés de devolver como combinado, acabei jogando tudo novamente". Assim, a emoção das rodadas ganhas e a frustração do dinheiro perdido tomaram conta da advogada, que agora passava o dia jogando e via a vida familiar e profissional sendo prejudicada. ?Eu não conseguia focar em nada. A minha casa estava de ponta cabeça, não dava atenção para o meu trabalho. Foi quando eu comecei a cair na real e a procurar grupos de ajuda, com pessoas que passam pelo mesmo problema que eu. Poucas pessoas da minha família sabem?, revela. No início deste ano, Juliana conseguiu parar de jogar, e nesta quarta-feira (5), ela comemorou quatro meses longe das apostas online. ?Estou focando novamente, tentando trabalhar. Estou voltando, pagando as minhas dívidas aos poucos e não pretendo voltar a jogar nunca mais, mas é uma luta muito grande?, conclui. Contas de 'jogo do tigrinho' inundam Instagram Jogadores Anônimos Cláudio* faz parte dos Jogadores Anônimos há 11 anos e está sem jogar há dez . Ele conta que o trabalho do grupo é manter uma porta aberta para acolher quem precisa de ajuda, seja de maneira presencial ou virtual. ?A gente acolhe aquele jogador que está sofrendo lá fora, com qualquer tipo de aposta, seja na bolsa de valores, jogo do aviãozinho, de tigrinho, qualquer tipo de aposta?, diz. ? Ludopatia, ou vício em jogos de azar, é classificada pelos CID-10-Z72.6 (mania de jogo e apostas) e CID-10-F63.0 (jogo patológico). A Irmandade de Jogadores Anônimos surgiu nos Estados Unidos em 1957 e teve a primeira reunião no Brasil em março de 1993. Segundo Claudio, o grupo tem crescido muito nos últimos anos, com a chegada de muito mais jovens do que antigamente. "A maioria das pessoas que chega está com esse problema relacionado às apostas online. Considero que essa febre online é o novo crack da sociedade brasileira e o bônus que oferecem para continuarem jogando é uma verdadeira armadilha para amarrar a pessoa dentro do jogo", conta. Imagem ilustrativa de jogos de aposta online. Fábio Santos/g1 ?Quando atravessa a linha da compulsão, quando uma pessoa perde seu salário em apenas uma hora de jogo, essa pessoa precisa de ajuda... O jogo sempre vai existir, eu é que não posso voltar. Eu não posso mais me castigar dentro do jogo?, fala Cláudio. A chave para se manter longe das apostas, segundo ele, é tentar controlar os atos. ?Não controlo os meus pensamentos. Posso até pensar na primeira aposta, mas eu penso mais no dia de hoje?, diz. ?Hoje eu sou uma pessoa útil à sociedade, sou uma pessoa dentro da minha família, dentro da minha empresa?, completa. Proteção aos jogadores A lei sancionada pelo governo federal no fim de 2023 sobre apostas onlines veda a participação de pessoas diagnosticadas com ludopatia. O g1 procurou a Associação Nacional de Jogos e Loterias (ANJL) para entender como as plataformas protegem pessoas viciadas de retornarem aos jogos. Segundo o diretor de comunicação da ANJL, Leonardo Benites , a ludopatia é um vício que tem picos seguidos de processos de arrependimento, que gera a sensação de recuperar o que se perdeu, formando um ciclo vicioso. Para proteger quem passa por essas crises, o setor utiliza uma ferramenta que possilita a exclusão parmanente das plataformas. "Todos os operadores sérios têm um processo de autoexclusão. Ou seja, no momento do arrependimento o cliente pode logar na plataforma e se autoexcluir e, com isso, não importa o que ele faça, não será aceito novamente. Isso já consegue inibir os picos de mania no momento que ele tem o pico da ludoparia", completa. Além disso, diz Benites, as plataformas utilizam ferramentas individualizadas para evitar excessos. "Algumas usam gatilhos quando têm grandes perdas. Elas limitam a quantidade de depósitos para conta que tem perdido muito. São limites graduais, então para o jogador poder depositar uma grande quantidade de dinheiro, ele precisa de um tempo", fala. Ele explica que, por ainda não haver licença estabelecida, há uma variação de ferramentas nas plataformas, mas uma portaria divulgada pelo governo em outubro do ano passado estabelece algumas regras, como a autoexclusão, limitação de tempo, limitação de perdas e período de pausa. ? A Associação Nacional de Jogos e Loterias reúne as empresas GaleraBet/PlayTech, Big Brasil, F12, PagBet, BetNacional, Mr. Jack, Parimatch, BetFast, Aposta Ganha, Liderança Capitalização, ZRO Bank, Okto, Propane, PAAG, Clear Sale e BetBox tv. Regulamentação O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sancionou no fim do ano passado a lei que regulamenta o mercado de apostas esportivas online no Brasil. A lei sancionada tributa empresas e apostadores, bem como estabelece regras para a exploração das apostas e define a distribuição dos recursos arrecadados pelo governo com a atividade. Para uma empresa de apostas online atuar no país, terá de pagar R$ 30 milhões para obter a licença de operação. Somente podem explorar as apostas esportivas as empresas constituídas segundo a legislação brasileira, com sede e administração no território nacional. Procurado pelo g1, o Ministério da Fazenda, responsável pela Secretaria de Prêmios e Apostas, disse que vem agindo para regular o mercados de apostas de quota fixa desde dezembro de 2023 e que criou a Secretaria de Prêmios e Apostas. (Leia a nota completa abaixo). Nota do Ministério da Fazenda Desde a aprovação da Lei 14.790, em 22 de dezembro de 2023, o Ministério da Fazenda vem agindo intensamente para regular o mercado de apostas de quota fixa, promovendo justiça tributária e proteção aos apostadores. Em janeiro, foi criada a Secretaria de Prêmios e Apostas. Em fevereiro, ela começou a funcionar. Desde o seu início, foram lançadas a agenda regulatória e mais quatro portarias, entre as quais as de Meios de Pagamento e de Autorização. Estão previstas pelo menos mais sete portarias, entre elas as de Direitos e Obrigações e a de Jogo Responsável, que são focadas nas questões das externalidades negativas do jogo. O mercado legal está previsto para começar a operar em 1º de janeiro de 2025. É importante salientar que o governo só obterá dados das empresas operadoras de apostas que receberem autorização de funcionamento, daí a importância de utilizar apenas bets que estejam oficializadas. Em 22 de maio, foi aberto o prazo para as empresas apresentarem os pedidos de autorização. O governo está construindo um grupo interministerial de Trabalho para enfrentar as externalidades negativas ligadas ao jogo. *Juliana e Cláudio são nomes fictícios. Os entrevistados pediram para não serem identificados.

07/06/2024

Campeões em mandar áudio e figurinhas: veja o que o dono do WhatsApp disse sobre os brasileiros

Brasileiros mandam quatro vezes mais áudios no WhatsApp do que qualquer outro país, disse Mark Zuckerberg durante um evento em São Paulo nesta quinta-feira (6). O CEO da Meta também aproveitou para falar sobre a liberação da assistente de inteligência artificial integrada à empresa no Brasil. Brasil manda 4x mais áudios no WhatsApp do que outros países, diz Zuckerberg Os brasileiros estão entre as pessoas mais ativas do mundo no Whatsapp e enviam quatro vezes mais mensagens de voz no aplicativo do que qualquer outro país, disse Mark Zuckerberg durante o Meta Conversations, evento global que aconteceu na quinta-feira (6) em São Paulo. "As pessoas no Brasil enviam mais figurinhas, participam mais de enquetes e enviam quatro vezes mais mensagens de voz no WhatsApp do que em qualquer outro país", afirmou o CEO da Meta (dona de Facebook, Instagram e WhatsApp), Mark Zuckerberg. "Um país que realmente abraçou o poder da mensageria para se conectar, expressar-se e fazer negócios. Vocês tornaram o 'Zap Zap' algo próprio e vocês estão entre as pessoas mais ativas do mundo no app". Mark Zuckerberg, CEO da Meta, anuncia novidades para o WhatsApp, Instagram e Facebook em evento realizado em São Paulo Divulgação/Meta No vídeo, o fundador da rede social também aproveitou para falar sobre a liberação da assistente de inteligência artificial integrada ao WhatsApp, Instagram, Facebook e Messenger. A "IA da Meta" deve ser lançada, no Brasil, em julho. A tecnologia promete interagir com os usuários, gerar imagens, criar textos e responder perguntas. O serviço chega em português e é um assistente virtual (ou "chatbot") que interage com os usuários nas redes sociais das empresas, respondendo a perguntas, criando textos e também gerando imagens. A iniciativa tenta concorrer com outras IAs do mercado como o ChatGPT, da OpenAI, e o CoPilot, da Microsoft, foi apresentada nos Estados Unidos em abril. A tecnologia usada pela "IA da Meta" é a Llama 3, que é uma espécie de ?cérebro? do assistente. No WhatsApp, por exemplo, a Meta afirma que a IA vai ajudar as empresas, respondendo às perguntas mais populares que são recebidas no aplicativo de mensagens para que possam ajudar rapidamente os clientes a encontrar as respostas que desejam. Segundo Zuckerberg, o objetivo da Meta é "construir o melhor serviço de IA do mundo". Mark Zuckerberg afirma que Brasil envia 4x mais áudios no WhatsApp do que qualquer outro país Meta/ Reprodução Contas de 'jogo do tigrinho' inundam Instagram Sonda chinesa coleta amostras do lado oculto da Lua 'Stalking': saiba quando a perseguição na internet se torna crime

07/06/2024

Venda ilegal de celulares triplica em um ano; entenda os riscos de aparelhos irregulares

Aparelhos entram no Brasil sem pagar impostos e, em alguns casos, chegam a ser 30% mais baratos do que celulares de empresas que seguem todas as regras. Ainda que pareçam vantajosos, eles podem trazer prejuízo se usarem materiais de baixa qualidade. Celulares irregulares representa 25% do mercado brasileiro, segundo IDC Pongsawat Pasom/Unsplash Um concorrente que triplicou de tamanho e já representa 25% das vendas de celulares no Brasil criou um sinal de alerta nos demais fabricantes. O problema é que não se trata de uma marca, e sim de contrabando. Esses aparelhos, em sua maioria chineses, entram no Brasil de forma ilegal, sem pagar impostos, e têm preços muito mais vantajosos. Em alguns casos, eles são 30% mais baratos do que celulares de empresas que seguem todas as regras. E estão disponíveis em cada vez mais lojas: Amazon e Mercado Livre tiveram que tirar ofertas dos maiores vendedores de celulares irregulares de seus marketplaces, em que terceiros podem usar os sites como vitrines para anunciar seus produtos. A oferta em canais conhecidos, aliada aos descontos agressivos e à possibilidade de entrega rápida, são alguns dos fatores que têm levado ao aumento do mercado de celulares irregulares no Brasil, segundo especialistas ouvidos pelo g1. Esse segmento, também chamado de mercado cinza, parece vantajoso no primeiro momento, mas pode trazer mais prejuízos aos compradores (saiba mais abaixo). Essa reportagem aborda: O que é o mercado cinza de celulares? Por que o mercado de celulares irregulares cresceu no Brasil? Como o mercado cinza afeta a venda legal de celulares? Quais são os riscos de comprar celulares que não têm autorização? Como descobrir se um celular é irregular? Vendas de celulares irregulares representam 25% do mercado brasileiro Isso envolve principalmente a falta da certificação desses aparelhos por parte da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) ou de outro órgão aceito por ela. Mas a conta também inclui celulares roubados ou que não estão cumprindo todas as regras O que é o mercado cinza de celulares? O mercado cinza (ou o comércio irregular) de celulares se refere a produtos que, de alguma forma, não seguem todas as regras estabelecidas pelas fabricantes. Isso envolve principalmente a falta da certificação desses aparelhos por parte da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) ou de outro órgão aceito por ela. Mas a conta também inclui celulares roubados ou que tiveram especificações técnicas alteradas sem aprovação da fabricante. Voltar ao início Por que o mercado de celulares irregulares cresceu no Brasil? O contrabando de celulares sempre teve muita visibilidade por envolver produtos que são pequenos ? e, consequentemente, fáceis de transportar ? e que têm alto valor no mercado. Mas esse mercado aumentou com o crescimento de lojas online, de acordo com Luiz Claudio Carneiro, diretor de dispositivos móveis de comunicação da Associação Brasileira da Indústria Elétrica (Abinee), que representa as fabricantes de celulares. "O grande diferencial, que mudou a realidade do contrabando no país, foi o marketplace. Antes, você precisava sair de casa e ir ao local. Hoje, pelo marketplace, você compra um telefone contrabandeado de manhã e, no outro dia a tarde, está na sua casa", afirmou. No primeiro trimestre de 2024, foram vendidos 8,5 milhões de smartphones legais. No mesmo período, 2,9 milhões de unidades do tipo foram comercializadas no mercado irregular. A retirada de anúncios de smartphones irregulares de Amazon e Mercado Livre foi uma ordem da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), que acatou uma denúncia da Abinee. Para apresentar a denúncia, a associação comprou alguns celulares para confirmar as irregularidades e analisou os 50 maiores vendedores de aparelhos indevidos, que, em alguns casos, comercializavam 5.000 smartphones por mês. A estimativa da Abinee é de que cerca de 90% deles sejam de uma única marca, que não foi revelada pela entidade. "Ninguém é contra o marketplace. O que a gente reivindica é que ele siga a legislação brasileira, que cumpra com as obrigações regulatórias, que pague impostos, assim como toda a indústria". Os celulares irregulares ficam mais baratos por não pagarem PIS/Cofins, IPI, ICMS e Imposto de Importação, segundo a Abinee. Estes impostos são cobrados das marcas que atuam legalmente no país. Voltar ao início Como o mercado cinza afeta a venda legal de celulares? O comércio legal de smartphones teve uma pequena queda de 0,5% no primeiro trimestre de 2024, em relação ao mesmo período do ano passado. E, na comparação com o quarto trimestre de 2023, houve um crescimento de 5%. Mas é a expansão do mercado irregular que preocupa, já que ela afeta toda a cadeia: desde fabricantes de componentes dos celulares até instituições de ensino que recebem investimentos em pesquisa e desenvolvimento com base no faturamento das marcas. E consumidores estão aceitando investir cada vez mais para ter celulares irregulares: enquanto o preço médio no comércio legal cresceu 3%, o do mercado cinza subiu 26% (na comparação entre o primeiro trimestre de 2024 e o mesmo período de 2023). Compare o preço médio de celulares do comércio legal com os do mercado cinza "É um momento bem crítico", diz Andreia Sousa, analista de consumo da consultoria IDC Brasil. "O cenário veio aumentando nos últimos seis meses de 2023 e, agora, vemos que é uma situação muito difícil de controlar". Outros países da América Latina também registraram crescimentos do mercado irregular de celulares, segundo a IDC, especialmente pela facilidade de comprar esses aparelhos com o crescimento do comércio online. "A gente vê um mercado cinza se consolidando. Por mais que existam algumas ações para tentar bloquear, chegou em um patamar muito grande para conseguir erradicar isso", avalia Andreia. Voltar ao início Quais são os riscos de comprar celulares que não têm autorização? Ainda que muitos celulares do "mercado cinza" possam funcionar corretamente, eles oferecem mais riscos aos consumidores do que os vendidos legalmente. Segundo a Anatel, esses aparelhos podem: ? Não oferecer o período de garantia da representante da marca no Brasil, porque os aparelhos foram comprados no exterior; ? Registrar quedas de chamadas e falhas na conexão de internet por não necessariamente seguirem padrões de redes nacionais; ? Colocar usuários em risco por usarem softwares maliciosos que têm acesso indevido a dados pessoais; ? Usar material de baixa qualidade e apresentar mau funcionamento de baterias pela falta de avaliações quanto à segurança elétrica e os limites de exposição a campos eletromagnéticos, o que pode expor usuários a níveis inadequados de radiação; ? Causar redução da cobertura de telefonia se forem usados em larga escala, o que acontece por conta do desempenho ruim ? se muitos aparelhos usam capacidade acima da necessária na comunicação com a rede, as antenas de telefonia passam a atender menos dispositivos. Celulares sem certificação também podem causar riscos de explosões e superaquecimento, segundo a Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac), que reúne laboratórios responsáveis por analisar se produtos seguem atendem aos padrões necessários. "O rito de homologação da Anatel contempla questões de segurança, onde o aparelho é estressado através da submissão a condições anormais de uso para garantir que, mesmo diante de condições mais críticas, os usuários não corram nenhum tipo de risco", disse Kim Rieffel, vice-presidente de Telecomunicações da Abrac. Voltar ao início Como descobrir se um celular é irregular? Um preço muito abaixo do normal é o primeiro sinal de que o celular pode ser irregular. Mas também é possível indicar que o aparelho tem origem suspeita se: O anúncio incluir termos como "global version" (versão global), sugerindo que o aparelho não foi fabricado especificamente para o Brasil; Nas especificações, o campo do número de homologação do celular na Anatel estiver em branco; O vendedor informar o código de barras (também chamado de EAN), e o número começar com 693, 694 ou 695, apontando que o produto é voltado para a China ? o EAN do Brasil começa em 789 e 790; O vendedor oferecer garantia de até 90 dias ? o mercado legal costuma oferecer um ano de garantia; O aparelho não vem com manual de instruções em português do Brasil, e seu carregador não está no padrão brasileiro. A Anatel também conta com uma ferramenta que indica se o celular tem certificação e, portanto, se é regular. Basta visitar este link e informar o IMEI, que pode ser encontrado na caixa ou na bateria do celular ou ao ligar para *#06# ? saiba mais sobre o IMEI. Batizado de Consulta Celular Legal, o site também diz se o smartphone foi roubado ou furtado. Em todas essas situações, a agência pode bloquear a conexão do aparelho e impedi-lo de fazer ligações e se conectar à internet. Se houver irregularidade sobre a certificação, ele apresenta a mensagem "O IMEI informado possui restrição de uso". Neste caso, a orientação é entrar em contato com a loja que vendeu o aparelho ou com a fabricante. Voltar ao início Saiba se está sendo vigiado: veja sinais um celular infectado com aplicativo espião

07/06/2024

Minutos pagantes: promessa de lucro fácil em jogos caça-níquel online é fraude, dizem especialistas e setor

Pessoas afiliadas infringem regras para receber comissão das bets, enganando jogadores que buscam aumentar os ganhos. Setor defende regulamentação para lidar com o problema e responsabilizar fraudadores. Promessa de lucro fácil em jogos caça-níquel online é fraude, dizem especialistas e setor Popular nas redes sociais e no WhatsApp, a estratégia para jogos de caça-níquel online conhecida como minutos pagantes é uma fraude, segundo especialistas e representantes do próprio setor de apostas. De acordo com os promotores da estratégia, os minutos pagantes seriam momentos em que os jogos tendem a pagar mais prêmios: se o minuto pagante for 9, o jogo poderia pagar mais em horários que terminam em 9, como 12h59 ou 15h19. Uma tática comum é dizer que há um bug (erro) no jogo e que, ao seguir uma série de ações durante os supostos minutos pagantes, seria possível ganhar dinheiro. Isso não funciona, diz Ana Paula Gatti, diretora da Associação Brasileira dos Bingos, Cassinos e Similares (Abrabincs), que define a promessa como parte de ?universo paralelo de comercialização de estratégias secretas? infundadas. ?Se comprovada a inexistência de minutos pagantes, e se for certificada a aleatoriedade dos jogos, estamos diante da figura de influenciadores que estão enganando seus seguidores para obter lucros com a venda de estratégia falsa e com o comissionamento da perda desses apostadores; que podem estar sendo lesados duplamente?, disse. Caso, eventualmente, a estratégia funcione, aí a fraude está na plataforma, segundo Ana Paula. Isso porque os caça-níqueis são jogos de azar e, por princípio, os resultados devem ser gerados de forma aleatória, sem padrão definido, e os resultados devem ser imprevisíveis ? semelhante ao que acontece nas loterias. Contas de 'jogo do tigrinho' inundam Instagram Leia mais Contas de 'jogo do tigrinho' inundam Instagram e incomodam usuários; entenda Lula sanciona lei que regulamenta apostas esportivas, mas veta isenção de IR para ganhos de até R$ 2,1 mil Governo publica novas regras para empresas que atuam com apostas esportivas e de jogos online Os números que aparecem no caça-níquel online são gerados por meio de um RNG (Gerador de Números Aleatórios, na sigla em português). As imagens que aparecem no caça-níquel como frutas, sinos, sacos de moeda, tigres ? daí a popularização da expressão "jogo do tigrinho" ? são apenas representações visuais desses números. ?Não existe nada que um cliente possa fazer antes ou durante [uma rodada de um jogo caça-níquel] que possa influenciar no resultado?, afirma Leonardo Benites, diretor de comunicação da Associação Nacional de Jogos e Loterias (ANJL), que representa as plataformas de jogos online. Por que, então, a tática de minutos pagantes é tão popular? Segundo especialistas e representantes do próprio setor, a promessa dos minutos pagantes é feita, muitas vezes e de forma irregular, por afiliados das plataformas de apostas, que ganham comissão de acordo com o volume de apostas que conseguem atrair para ela. Essa promessa é divulgada de forma massiva em sites. Nos últimos 30 dias, por exemplo, o termo teve mais menções no WhatsApp que o ministro Fernando Haddad e um volume semelhante a Bolsa Família, segundo dados da Palver, que monitora 70 mil grupos públicos do aplicativo de mensagens. Segundo Luis Fakhouri, diretor da Palver, o fato de "minutos pagantes" apresentar uma consistência no número de menções diárias ao termo traz indícios de envio automatizado. A ANJL diz que os afiliados pegos divulgando estratégias falsas para obtenção de ganhos nos jogos, deve ser expulso pela plataforma expulso da associação. "O problema fica no colo do operador [casa de apostas], porque quando aquele cliente descobre que, na verdade, passou por um golpe, foi enganado, o único contato que ele tem é com o operador. E aí o operador fala, 'olha, não sabemos de nada disso que está acontecendo'", diz Benites, diretor de comunicação da associação. Presidente do Instituto Brasileiro Jogo Legal (IJL), Magnho José defende o estabelecimento de normas mais claras sobre os jogos online. "Essa conduta dos influenciadores só será resolvida com a regulamentação porque as plataformas vão ter responsabilidade sobre o que os influenciadores estão sugerindo aos seus seguidores?, diz. Lei de 2023 autorizou jogos de caça-níquel online Os jogos de caça-níquel online foram autorizados no Brasil pela lei 14.790/2023, a mesma que regulamentou o funcionamento das bets ? como são chamadas as plataformas de apostas esportivas. A lei autoriza que esse tipo de jogo de resultado aleatório seja ofertado exclusivamente online ? ou seja, não permite a instalação de máquinas físicas para a realização desse tipo de jogo, e proíbe a veiculação de "afirmações infundadas" sobre as chances de ganhar. Jogo caça-níquel Fortune Tiger, conhecido como jogo do tigrinho Matheus Moreira

06/06/2024

Brasil envia 4x mais áudios no WhatsApp do que qualquer outro país, diz Mark Zuckerberg

Informação foi divulgada durante um evento em São Paulo nesta quinta-feira (6). O CEO da Meta também aproveitou para falar sobre a liberação da assistente de inteligência artificial integrada à empresa no Brasil. Brasil manda 4x mais áudios no WhatsApp do que outros países, diz Zuckerberg O Brasil envia quatro vezes mais mensagens de voz no aplicativo do que em qualquer outro país, segundo o CEO da Meta (dona de Facebook, Instagram e WhatsApp), Mark Zuckerberg. "As pessoas no Brasil enviam mais figurinhas, participam mais de enquetes e enviam quatro vezes mais mensagens de voz no WhatsApp do que em qualquer outro país", afirmou. A fala de Zuckerberg foi transmitida durante um evento global em São Paulo, o "Meta Conversations", nesta quinta-feira (6). "Um país que realmente abraçou o poder da mensageria para se conectar, expressar-se e fazer negócios. Vocês tornaram o 'Zap Zap' algo próprio e vocês estão entre as pessoas mais ativas do mundo no app". Mark Zuckerberg, CEO da Meta, anuncia novidades para o WhatsApp, Instagram e Facebook em evento realizado em São Paulo Divulgação/Meta No vídeo, o fundador da rede social também aproveitou para falar sobre a liberação da assistente de inteligência artificial integrada ao WhatsApp, Instagram, Facebook e Messenger. A "IA da Meta" deve ser lançada, no Brasil, em julho. A tecnologia promete interagir com os usuários, gerar imagens, criar textos e responder perguntas. O serviço chega em português e é um assistente virtual (ou "chatbot") que interage com os usuários nas redes sociais das empresas, respondendo a perguntas, criando textos e também gerando imagens. A iniciativa tenta concorrer com outras IAs do mercado como o ChatGPT, da OpenAI, e o CoPilot, da Microsoft, foi apresentada nos Estados Unidos em abril. A tecnologia usada pela "IA da Meta" é a Llama 3, que é uma espécie de ?cérebro? do assistente. No WhatsApp, por exemplo, a Meta afirma que a IA vai ajudar as empresas, respondendo às perguntas mais populares que são recebidas no aplicativo de mensagens para que possam ajudar rapidamente os clientes a encontrar as respostas que desejam. Segundo Zuckerberg, o objetivo da Meta é "construir o melhor serviço de IA do mundo". Mark Zuckerberg afirma que Brasil envia 4x mais áudios no WhatsApp do que qualquer outro país Meta/ Reprodução Contas de 'jogo do tigrinho' inundam Instagram Sonda chinesa coleta amostras do lado oculto da Lua 'Stalking': saiba quando a perseguição na internet se torna crime

06/06/2024

Saiba como vai funcionar o 1º satélite geoestacionário produzido no Brasil para monitorar eventos climáticos extremos

Previsão é que satélite seja lançado até 2030, com investimento de pelo menos R$ 5 bilhões. Novo satélite será produzido no Inpe, em São José dos Campos Divulgação/INPE O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Clezio de Nardin, anunciou na manhã desta quinta-feira (6) que o Brasil e a China vão produzir, em cooperação, um satélite meteorológico capaz de prever eventos climáticos extremos. O satélite geoestacionário, segundo Clezio, apesar de não ser integralmente produzido em solo brasileiro, será o primeiro desenvolvido no país. O custo gira em torno de R$ 5 bilhões. ? Clique aqui para seguir o canal do g1 Vale do Paraíba e região no WhatsApp "É o primeiro satélite que é desenvolvido no Brasil, o primeiro satélite geoestacionário meteorológico, inclusive. O geoestacionário meteorológico é a primeira vez que nós vamos ter", afirmou. LEIA TAMBÉM Brasil vai produzir com a China satélite capaz de monitorar eventos climáticos extremos, diz Inpe A expectativa do Inpe é que o satélite seja lançado "o mais breve possível", até 2030 -- no máximo até 2031. Agora serão discutidas todas as questões técnicas do lançamento e os detalhes da operação. "Nós vamos ter que discutir quem vai fazer o quê, que parte vai ser feita no Brasil, que parte vai ser feita na China, aonde que nós vamos integrar, se ele vai ser integrado no nosso laboratório de integração e teste, se ele vai ser integrado na China, da onde ele vai ser lançado", explicou. Brasil vai produzir com a China satélite capaz de monitorar eventos climáticos extremos Como vai funcionar Segundo Clezio, o Brasil entra para um seleto grupo de países que constroem satélites geoestacionários. Na avaliação do diretor, a novidade fará com que o país ganhe 'musculatura' com o desenvolvimento do equipamento. "O Inpe vai encarar esse desafio. O Brasil vai encarar esse desafio. Nós vamos entrar nesse seleto grupo que constrói seus próprios satélites, mesma coisa que nós fizemos com todos os demais satélites da família Cbers". O satélite geoestacionário será lançado a 36 mil quilômetros de altitude. A efeito de comparação, o Amazônia-1, que é considerado de órbita baixa, tem 750 quilômetros de altura, assim com o Cbers, com cerca de 630 quilômetros de altitude. INPE vai produzir novo satélite em parceria com a China O satélite que deve ser lançado nos próximos anos ficará orbitando a Terra em órbita equatorial, exatamente em cima do ponto onde ele estará estacionado. "A órbita dele em volta da Terra é exatamente o período de rotação da Terra, de modo que o movimento aparente dele em relação à Terra é como se ele tivesse geoestacionado", explicou De Nardin. O objetivo do Inpe, agora, é conseguir ter o controle do satélite anunciado. "A tecnologia vai ser discutida daqui para frente e vai depender de quem vai fazer qual parte do satélite, se nós vamos fazer a carga útil, se nós vamos fazer o controle, mas obviamente nós temos intenção e interesse muito grande em partir para o controle do satélite. E algumas partes do satélite nós queremos contratar na indústria usando a metodologia de encomenda tecnológica para que o satélite seja gradativamente nacionalizado e fortalecendo a indústria nacional, obviamente". Atualmente, o Brasil já possui um satélite geoestacionário, mas que não foi produzido no país: o SGDC-1 (Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação), que foi comprado e é operado em Brasília (DF), mas é voltado apenas para comunicações estratégicas do país. "Nós vamos começar a fazer geoestacionário no Brasil e isso é um avanço gigantesco. Ele é nosso e é meteorológico, então é para imediato benefício social de todos os países vizinhos, mas principalmente o povo brasileiro que está fazendo um grande esforço para ajudar a desenvolver toda essa tecnologia", finalizou. De acordo com o diretor do Inpe, o novo equipamento será capaz de monitorar eventos extremos, como, por exemplo, o que causou enchentes no Rio Grande do Sul. Chuvas fortes que atingiram o estado no último mês deixaram mais de 170 mortos. Veja mais notícias do Vale do Paraíba e região bragantina

ÁGUIA MONTAGEM E MANUTENÇÃO © Copyright 2012

UDS